18.10.11

 

Era o teu 2º aniversário, e estava desejosa para chegar a casa e poder passar o resto do dia contigo... Estava a chover e o trânsito estava ainda mais louco que o habitual. Em poucos segundos deixei de ter noção do que se passava, reinava o caos. Dei por mim deitada no frio do asfalto e adormeci. Algo se tinha passado, mas não tinha forças para questionar... Vieram as ambulâncias, os bombeiros e eu apenas deixei levar-me em silêncio, sem perguntas nem choros.

 

Passaram-se horas, dias, não sei quanto ao certo... Quando acordei estava deitada numa cama de hospital. Era essa a altura de me questionar, de questionar sobre o que se tinha passado. Olhei em redor e não havia ninguém. A sensação que percorria o meu corpo não era boa, sentia-me perdida em mim, apenas desconhecia ainda a verdadeira razão. Foi quando chegou o médico, observou-me e começou a contar-me o que eu não me lembrava: Tinha tido um acidente com um camião e tinha sido projectada do carro. Passado pouco tempo cheguei inconsciente ao hospital, fui operada mas infelizmente não tinham conseguido travar as lesões da coluna e estava agora paraplégica. - "Como??" - Gritei. Fechei os olhos com toda a minha força. "Foi um sonho mau", pensei e fiquei assim por muito tempo. Quando abri os olhos estava novamente sozinha. Tentei contrariar tudo o que me diziam mas sabia que seria uma tentativa em vão... Tirei os cobertores e olhei para o meu corpo assim sem vida... Era este o meu final, um corpo deitado à mercê dos outros...

 

De repente, entraste naquele espaço. Reconheci a tua gargalhada, a tua expressão contrastava bem com o meu estado de espírito... Olhei-te em silêncio, o meu pensamento foi de desilusão... "Que raio de mãe foste tu arranjar? Que desilusão serei para ti?" Mas tu olhaste para mim e disseste aquela palavra mágica: "Mamã!" Vieste para o meu colo e sorriste. Sorriste para mim como sempre o fizeste. Naquele momento senti que não poderia deixar-me abater, que não poderia deixar de lutar... Por ti simplesmente não podia! E foi assim que se deu a minha iniciação para uma luta eterna, uma luta por um gesto meu, por muito pequeno que fosse...

 

Hoje, passados tantos anos, a vida vai correndo ao sabor de pequenas vitórias. Hoje sou independente dentro da dependência. A minha vida não voltou a ser a mesma, mas tentei minimizar os danos daquele momento que nunca me consegui lembrar... Guardo em mim aquele sorriso que me deste, aquela força, aquele amor desmedido, e é esse amor que me move... em cada momento deste regresso à vida.

 

Cátia Azenha (articulista convidada)

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Outubro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

16
19
20
22

23
24
26
29

30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: