29.1.09


 


Os resultados do estudo (mais um), feito por uma equipa sueca, eram esclarecedores.

Dei por mim a acenar com a cabeça para cima e para baixo em sinal de concordância com este triste resultado.



O universo eram 3000 trabalhadores, homens, na faixa etária entre os 18 e os 70 anos e num período de 10 anos.

O estudo tinha um duplo objectivo: 1.º avaliar a competência e o carácter de quem geria o seu trabalho, vulgo, chefes; 2.º os efeitos no comportamento e na saúde desses trabalhadores.



Revelou o estudo que existia uma relação directa entre os problemas cardíacos graves, e os maus chefes.

Uma chefia incompetente é um factor de risco com mais peso nas doenças de coração do que o tabaco, ou a falta de exercício.



Que chefes temos?

Que chefes queremos?



A falta de saúde económica actual, transversal a todos os sectores desde o produtivo ao financeiro, deixará pouca margem para que os cargos de chefia sejam exercido com os aspectos básicos e fundamentais: competência, profissionalismos e bom senso.

Os lugares são cada vez mais escassos e não se podem dar ao luxo de os perderem. Estabelecem como prioridade número um o cumprimento dos objectivos impostos.

Estes objectivos, estabelecidos a contar com o ritmo alucinante de trabalho dos empregados, arranhando muitas vezes a sua saúde fisica e mental, ignoram uma verdade absoluta: maior satisfação no trabalho, maior produtividade.

Trabalhadores descontentes, desvalorizados e injustiçados, entram em stress, passam por estados de hipertensão, culminando, não raras vezes, nas baixas sucessivas e prolongadas.



Compete às estruturas definir objectivos exequíveis com um sadio ritmo de trabalho, concessão de regalias facilitadoras das condições de vida dos trabalhadores e limpeza dos departamentos e direcções, dos chefes incompetentes.

Talvez assim, a máxima,"o trabalho dá saúde" volte a ser verdade.



Cidália Carvalho


 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 12:07  Comentar

De LMMM e PRM a 29 de Janeiro de 2009 às 14:18
Tudo isto era muito bonito se não existissem os tais OBJECTIVOS! Que por vezes fazem com que os chefes descurem as vidas pessoais dos trabalhadores... Já com a nossa chefe nada disso se passa, muito pelo contrário! A nossa chefe e como nossa mãezinha nem a tratamos como chefe nas sim como nossa mãe amiga e companheira. Está sempre preocupada connosco em nos ajudar no que pode e no que não pode. Tenta sempre que estejamos contentes e satisfeitas em relação aos nossos horários de trabalho.
Nunca tivemos uma chefe assim, nem sabíamos como era e que existia!! Queremos agradecer-lhe por a termos conhecido e por tudo que faz por nos.

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Janeiro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
24

25
26
27
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: