23.3.12

 

Há muitos aspetos associados ao desenvolvimento e à mudança durante a infância, adolescência e idade adulta. A quem devemos atribuir responsabilidades? À natureza ou ao ambiente? Apesar da grande variabilidade individual, das circunstâncias ambientais e das realizações pessoais, as questões fundamentais parecem mover-se sempre em torno dos fatores BioPsicoSocial e Espiritual.


De fato a adaptação, a mudança e o desenvolvimento verificam-se ao longo da vida e, de modo algum para quando atingimos a idade adulta.

 

Prossigamos agora com um exercício bastante conhecido. Independentemente da sua idade imagine-se daqui a dez anos. Terá a sua vida progredido? Terá atingido os seus objetivos? Qual será o estado do seu corpo e como se sentirá dentro dele? Onde estará a viver e com quem? Será que as suas capacidades cognitivas e laborais terão melhorado ou ter-se-ão “lentificado”? E financeiramente qual será a sua situação? Como estarão a ser ocupados os seus tempos livres? Ter-se-á adaptado a novas responsabilidades, por exemplo no trabalho ou em casa? Perspetiva mudanças ao nível de como os outros o percecionam ou tratam? Como se sentirá emocionalmente? Terá ainda consigo todos aqueles que ama?  

 

Se ao refletirmos nas mudanças em dez anos já parece ser um exercício algo difícil imagine-se daqui por 20 ou 30 anos.


Mas até que ponto é que as mudanças ao longo da vida se devem a modificações intrínsecas, fundamentais no organismo, a acumulação de experiências em ambientes complexos, ou a pressões sociais e comunitárias? Será que as mudanças são contínuas e graduais, ou são marcadas por etapas principais?

 

Parece claro e evidente que quando pensamos no nosso próprio futuro a mudança aparece de forma inevitável.

 

O percurso da sua vida é organizado e planeado, e será que segue esse plano de forma intrépida, ou vê-o como aberto às decisões de outros, ou à mercê do acaso? Anseia pela mudança, pela maturidade inerente à idade, ou essa perspetiva causa-lhe ansiedade e assusta-o? E, finalmente, será que considera estes aspetos importantes o suficiente para delinear, agora, alguns objetivos de vida?

 

Ana Teixeira

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 02:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Março 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

18
19
21
22
24

25
26
28
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: