13.4.12

 

Sentado à sua frente, numa posição descontraída e ligeiramente inclinado para ela, escuta-a e encoraja-a a falar. Ela vai ganhando confiança. Talvez seja desta...

Desde que se licenciou que a sua prioridade tem sido arranjar emprego. O seu dia começa cedo, consulta os anúncios de emprego nos jornais, navega pelas bolsas de emprego na Internet, envia o curriculum, vai a entrevistas. Começou por selecionar as ofertas dentro da sua área de formação, rapidamente se deixou de ideologias - o emprego já não é um meio para o seu desenvolvimento pessoal e profissional, é muito mais do que isso, é a única forma de sobrevivência. Percebeu que tem mais hipóteses se for a todas.

Preparou esta entrevista ao pormenor. Seguiu à risca as “dicas” do guia sobre como arranjar emprego. Apresenta-se de vestido azul, para inspirar confiança e seriedade. Senta-se muito direita na ponta da cadeira. Controla o ímpeto de falar muito e depressa, termina as frases numa entoação correta.

Sim, desta vez está a correr bem. O entrevistador parece impressionado. Mostra interesse em saber mais sobre ela. O interesse dele não a intimida; vai ganhando mais confiança. Exibe o diploma da licenciatura, os certificados das pós-graduação, fala da facilidade com que se adapta à mudança, do gosto pelas novas tecnologias, da sua ambição. Sim, desta vez vai pintar.

 

Não deu pelo tempo passar. Olhou o relógio já sentada no pequeno café em frente ao edifício que acabara de deixar e onde entra para se refazer da frustração que a invade. Mais uma hora perdida. Tempo é coisa que não lhe falta. Não é a sensação de tempo perdido que está a destruí-la por dentro. O que lhe dói, é que não sirva para aquele emprego por ser demasiado qualificada. Já foi rejeitada por tudo e por nada, nunca a tinham rejeitado por ser demasiado boa para o lugar.

 

O café está vazio, ninguém para testemunhar a sua frustração. O empregado encostado ao balcão não repara nela, a notícia que passa na televisão chama-lhe a atenção, põe o som mais alto, o locutor anuncia: Na Grécia, um homem de 50 anos, desempregado, suicidou-se em frente ao parlamento...

Paga a água que bebeu e sai para a rua. Não sabe que direção tomar, a notícia que acabou de ouvir bate dentro da sua cabeça. Está desorientada...

 

Cidália Carvalho


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Abril 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

15
16
18
19
21

22
23
25
26
28

29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: