13.4.12

 

Sentado à sua frente, numa posição descontraída e ligeiramente inclinado para ela, escuta-a e encoraja-a a falar. Ela vai ganhando confiança. Talvez seja desta...

Desde que se licenciou que a sua prioridade tem sido arranjar emprego. O seu dia começa cedo, consulta os anúncios de emprego nos jornais, navega pelas bolsas de emprego na Internet, envia o curriculum, vai a entrevistas. Começou por selecionar as ofertas dentro da sua área de formação, rapidamente se deixou de ideologias - o emprego já não é um meio para o seu desenvolvimento pessoal e profissional, é muito mais do que isso, é a única forma de sobrevivência. Percebeu que tem mais hipóteses se for a todas.

Preparou esta entrevista ao pormenor. Seguiu à risca as “dicas” do guia sobre como arranjar emprego. Apresenta-se de vestido azul, para inspirar confiança e seriedade. Senta-se muito direita na ponta da cadeira. Controla o ímpeto de falar muito e depressa, termina as frases numa entoação correta.

Sim, desta vez está a correr bem. O entrevistador parece impressionado. Mostra interesse em saber mais sobre ela. O interesse dele não a intimida; vai ganhando mais confiança. Exibe o diploma da licenciatura, os certificados das pós-graduação, fala da facilidade com que se adapta à mudança, do gosto pelas novas tecnologias, da sua ambição. Sim, desta vez vai pintar.

 

Não deu pelo tempo passar. Olhou o relógio já sentada no pequeno café em frente ao edifício que acabara de deixar e onde entra para se refazer da frustração que a invade. Mais uma hora perdida. Tempo é coisa que não lhe falta. Não é a sensação de tempo perdido que está a destruí-la por dentro. O que lhe dói, é que não sirva para aquele emprego por ser demasiado qualificada. Já foi rejeitada por tudo e por nada, nunca a tinham rejeitado por ser demasiado boa para o lugar.

 

O café está vazio, ninguém para testemunhar a sua frustração. O empregado encostado ao balcão não repara nela, a notícia que passa na televisão chama-lhe a atenção, põe o som mais alto, o locutor anuncia: Na Grécia, um homem de 50 anos, desempregado, suicidou-se em frente ao parlamento...

Paga a água que bebeu e sai para a rua. Não sabe que direção tomar, a notícia que acabou de ouvir bate dentro da sua cabeça. Está desorientada...

 

Cidália Carvalho


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Abril 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

15
16
18
19
21

22
23
25
26
28

29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Há uma força interior que nos orienta nas decisões...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: