25.5.12

 

Saberiam os pioneiros da web até onde os levariam os passos no desconhecido mundo da informática?

No início desta caminhada, os exploradores sabiam quando se movimentavam no mundo real ou virtual, as zonas estavam bem definidas e separadas, mas hoje os dois mundos tendem a fundir-se num só, com predominância, em muitos casos, do mundo virtual. Os cafés, tantas vezes pontos de encontro, os clubes e outros espaços de socialização estão a ser substituídos pelas práticas de individualização em frente a um computador que, virtualmente nos liga a todo o mundo. Viajamos por terras longínquas sem termos de sair do nosso espaço de conforto e segurança - a nossa casa. Fazemos amigos distantes sem nos conhecermos, a idealização do amigo virtual compensa a falta do contacto físico, do calor humano. Os nossos conhecidos, os que moram ao nosso lado, não nos interessam, não reparamos neles; porém, quando desligamos o computador, a nossa “companhia” volta a ser a solidão.

 

A Internet perpétua os momentos e potencializa-os. Todos nós, uma vez ou outra, nos expusemos em situações embaraçosas, numa discussão ridícula, numa zanga sem sentido, num momento eufórico, num desvio à norma padrão. Antigamente, e por antigamente entenda-se menos de uma década atrás, rapidamente o facto comprometedor passava para a esfera das recordações. Agora, por força do virtual, esse momento é testemunhado e revivido por milhões de pessoas. O facto vivido, descontextualizado daquela realidade e trazido para a atualidade por força do virtual, pode causar contratempos irreparáveis.

 

Não sou fã do mundo virtual, mas com facilidade reconheço que num processo em que as novas tecnologias e a informática são cada vez mais invasoras, não podem existir infoexcluídos porque o virtual é uma realidade.

 

Saberão hoje, os exploradores informáticos, após tantos avanços, para onde se dirige e qual o limite do mundo virtual?

 

Cidália Carvalho


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Maio 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
16
17
19

20
21
23
24
26

27
28
30
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: