8.6.12

 

Considerar que podemos ser outra pessoa num mesmo dia tem muito que se lhe diga. E conseguir distinguir os momentos desse dia em que a vivência é, mais ou menos virtual, também. Frequentemente, para entendermos do que se fala temos de pensar no seu exato oposto. Aceitemos a dicotomia “virtual – real”. Parece-me à primeira vista que poucos terão dificuldade em separar e delimitar estes opostos. E de uma forma geral, hoje em dia, associamos o “real” ao palpável, físico, material, e o “virtual” ao universo da informática ou da Internet.

Apesar de reconhecer esta visão contemporânea das coisas, tenho-a como insatisfatória. Como em parte acima referi, a linha que separa estes dois aparentes opostos é muito ténue. E refiro-me, evidentemente, ao que à vida (existência) diz respeito. Tal como alguém anteriormente disse, se eu penso, eu existo. A partir daqui permitam-me continuar; se eu existo, então eu sou. Se eu sou, então eu vivo. E se eu vivo, então eu sou real. Contudo, o pensar (que me permite em último caso ser real), não é palpável, físico ou material. O seu resultado final assim pode ser, mas o pensamento e a ideação em si, nunca o são. Então, o pensamento, que me permite ser (e ser real) é virtual? Se assim for, o “real – virtual” não é uma oposição, mas sim uma linha infindável de continuidade entre os dois. O virtual permite o real, que eventualmente será o instrumento para um outro virtual. E isto porquê? Porque o real leva-nos a pensar.

Ora bem. Pensando então nisto, chego à conclusão mais óbvia. Isto é tudo muito complicado... A minha existência diária é regulada pelo real e pelo virtual (considerando o real como algo que existe de facto e o virtual como algo que potencialmente existe). Simultaneamente. Devido a esse facto, quando é que eu posso considerar que o que sou é real, ou então virtual, em dado momento? Mais uma vez parece-me que não os podemos dissociar ou polarizar. Sou carne e pensamento. Ação e ideação. Existo de facto e tenho a potencialidade de ser o que ainda não sou. Por consequência, tudo o que faço e experimento é real e virtual. SOU eu quando aperto a mão a alguém na rua, e SOU o mesmo eu quando o meu avatar aperta a mão a outro no ciberespaço. Sendo assim, faz sentido falar em vida virtual e em vida real? Não. O que acontece atualmente é que ao contrário do que acontecia há bem pouco tempo, o que SOU pode exprimir-se (exprimir-me) em diferentes realidades. Reais e virtuais...

 

Rui Duarte


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Junho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
16

17
18
20
21
23

24
25
27
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: