27.7.12


Sentada num dos bancos do jardim, tinha os cotovelos apoiados nos joelhos unidos e firmes. A cabeça pousada nas mãos. Na esquerda, entre o indicador e o médio esticados e amarelecidos pelo fumo, ardia mais um cigarro. Ali junto aos cabelos. Esquecido. A passarada nas copas altas, embalada pela suave brisa, soltava cânticos de final de tarde. Os carros na estrada junto aos muros do hospital, embalados pela indiferença, soltavam ruídos de regresso a casa. Poderia pensar-se que Carolina observava a fila de formigas diante dos seus pés. Mas não. Os olhos fixavam-se apenas para dentro. E nada viam para além do vazio. Grande, espesso e negro. Não conseguia pensar. Não conseguia ouvir. Não conseguia falar. Não conseguia sentir. Há poucos dias não conseguia controlar as sensações, nem os pensamentos, eram tantos, eram tão confusos, ligavam-se uns nos outros, sem parar, provocavam sofrimento, não conseguia parar aquela dor.


Duas vozes ao seu lado. Conversavam. Não ouvia o que diziam.

- Mais uma crise. Cada uma é pior, mais profunda do que a anterior.

- Desta vez, como foi?

- Como as outras. Exatamente como as outras. Depois do internamento começa a recuperar, a ter uma vida normal, a sentir-se melhor consigo mesma. As consultas com o psiquiatra ficam mais espaçadas e a medicação é reduzida. Depois, por uma razão qualquer, começa a dizer que a medicação a faz sentir-se mal, que a impede de ser tal como é, e começa a regular a medicação por sua iniciativa – toma o que quer, quando quer e na quantidade que quer. Como não tem quem a controle, quem lhe imponha limites e regras, fica entregue a si mesma. Daí passa a não ter regras nem rotinas diárias, dorme muito pouco e quando entende, come quase nada e quando calha, aumenta a quantidade de cigarros. Sente-se alvo de todos, ataca todos. Tudo nela acelera: o discurso, o pensamento, os movimentos do corpo. Discorre sobre tudo, com tal acutilância e a tal velocidade, que parece uma máquina. Fica irónica, agressiva e violenta. É difícil estar ao pé dela. É insuportável viver com ela – um tormento, um desassossego.

- Começa a faltar-lhe o juízo…

- E o amor. Sente-se sozinha, abandonada, desamada. E parece odiar todos, odiar tudo. Exprime imensa revolta.

- E o médico?

- Recusa ir ao psiquiatra. Recusa tudo. Diz que ela é que sabe o que é melhor para si mesma. E agora, nas crises mais recentes, tem pavor de voltar a ser internada e vê o médico como um angariador de internamentos, por isso foge dele. Ou seja, coloca-se na posição ideal para ser internada. É um enorme sofrimento.

- E é o que acaba por acontecer…

- É o que acaba por acontecer, mas à força, quando fica sem qualquer controlo sobre si mesma, quando se torna socialmente insuportável, quando se constitui num perigo para os outros e para si mesma. Completamente fora… Quando vem para aqui, à força, o seu sofrimento ainda aumenta mais. Ficar fechada, ser controlada, tomar medicação imposta… é terrível.

- Mas é o melhor para ela.

- É! Depois fica assim, calma mas com total ausência, como se já nada existisse dentro dela.

- Precisa de quem cuide dela. E com muito carinho.

- Sim, e com muito amor.

 

Fernando Couto


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 01:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Julho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

15
18
19
21

22
23
25
26
28

29
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: