7.9.12

 

Sentes-te lá. Lá longe. Onde a vista não alcança e a distância já não avança, e mesmo que isso acontecesse, nem por isso te sentias mais lá. Lá, mais longe. Porque para além dos quilómetros, pesa-te o desconforto de saber que se precisares ninguém estará lá em 20. Nem em 40. Nem em 60. Minutos, claro. Ninguém, pelo menos daqueles que interessam. Daqueles que te fazem sentir estar cá. Bem perto. E eu sei como te sentes lá. Também já lá estive. Sei como os dias passam melhor que as noites, sei como um dia de sol pode fazer diferença, sei como uma simples frase em português, dita por outro, te faz sentir. Sei como, até fugindo do cá habitual, encontrar um sítio que venda tremoços e superbock funciona como o mais eficaz antidepressivo. Lá, o tempo não é como cá. E muitas vezes o clima também... Lá, deitam-se e acordam mais cedo. E almoçam e jantam também. Ou então fazem tudo isto mais tarde. Nunca é “como nós”. Ou às vezes até é no mesmo horário, mas por qualquer motivo insondável, parece que não é. Mas é claro que o tempo acaba por ajudar. A estranheza das ruas, das casas e das lojas, lentamente esbate-se. E de repente parece que é tudo melhor que cá. Começamos a reconhecer as virtudes de anteriores “esquisitices” estrangeiras, integrando-as como tão nossas como o povo que nos acolhe. E, enfim, tornamo-nos estranhos também porque passamos a viver na dicotomia. O que é nosso é bom mesmo que seja mau, porque mesmo reconhecendo que é mau, nunca o vamos querer perder...

 

Sentes-te lá. Lá longe. A vista de tudo já te cansa e parece que não avanças na distância por muitos quilómetros que faças. E mesmo que os faças nem por isso te sentes mais lá. Lá, mais longe. Pesa-te o desconforto da tua certeza, de saberes que se precisares, alguém estará lá em 20. Ou em 40. Ou em 60. Minutos, claro. Mas quem estiver de nada servirá e nunca compreenderá. E eles já te fizeram sentir estar cá. Bem perto. E eu sei como te sentes lá. Também já lá estive. Sei como os dias passam melhor que as noites, sei como um dia de sol pode fazer diferença, sei como uma simples frase certa, dita por outro, te faz sentir. Sei como, mimetizando o habitual, encontrar um sítio que venda tremoços e superbock já não funciona como antidepressivo. Lá, o tempo não é como cá. E muitas vezes o clima também... Lá, deitas-te e acordas. E às vezes almoças e jantas também. Nunca é como “os outros”. Às vezes até é no mesmo horário, mas por qualquer motivo, parece que não é. E é claro que o tempo pode não ajudar. A estranheza das ruas, das casas e das lojas esmagadoramente mantem-se. E é tudo pior que cá. Não reconheces virtudes anteriores, afastando-as de tão tuas e eventualmente de quem te acolhe. E, enfim, tornas-te estranho porque estás a viver na dicotomia. O que é teu é mau mesmo que seja bom, porque mesmo que seja bom estás disposto a perder...

 

Rui Duarte

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 20:05  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Setembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

17
19
20
22

23
24
26
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: