6.5.15

Relogio.jpg

 

Não consigo situar-me emocionalmente, em pleno, em relação ao agora. Existe um quê de ambivalência com o mesmo, tal como acontece com as coisas que não são transparentes. O agora prende-se com o tempo e o conceito do mesmo. Com teorias infindáveis acerca de quanto dura, na realidade, um minuto. Um segundo. Uma fração desse tempo. Um agora é um agora num relógio em qualquer parte do planeta, mas um agora no sofrimento não é um agora na felicidade.

O agora acarreta uma certa dose de angústia, algo que deriva de duas suposições básicas:

 

Agora – “Estou bem” – “Que nunca acabe”

 

Agora – “Estou mal” – “ Que acabe depressa”

 

Curioso seria afirmar que este pensamento apenas surge quando acontece a consciencialização do momento corrente. E que significaria tal? Até ao surgimento desse pensamento a angústia seria inexistente? E isso acontece apenas quando estamos “bem”? Ou seja, quando estamos “mal”, a consciencialização do agora “que nunca acaba” está sempre presente e assim, a correspondente angústia?

O estar “mal”, no limite, transporta-nos para o crivo da psicopatologia. Em contacto com distúrbios ansiosos e depressivos o agora deriva, agora, de duas suposições básicas:

 

Agora – “Estou mais ou menos bem” – “Por favor que dure mais um pouco”

 

Agora – “Estou muito mal” – “Por favor que acabe depressa”

 

Neste caso, campo evidente de angústias e ansiedades, o potencial dano do agora será maior. Não existe qualquer relação de prazer com o momento – agora. No limite haverá um conforto derrotista do género “já foi pior que agora”.

Ok... e agora? Agora digo-vos que não é fácil trabalhar no agora, terapeuticamente falando. Não é fácil para o doente trabalhar a angústia do agora quando do futuro o vislumbre praticamente não existe. Contudo, como todos sabemos, depois do agora vem o depois. Ninguém consegue é garantir que nele não exista angústia.

 

Rui Duarte

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Maio 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: