6.5.15

Relogio.jpg

 

Não consigo situar-me emocionalmente, em pleno, em relação ao agora. Existe um quê de ambivalência com o mesmo, tal como acontece com as coisas que não são transparentes. O agora prende-se com o tempo e o conceito do mesmo. Com teorias infindáveis acerca de quanto dura, na realidade, um minuto. Um segundo. Uma fração desse tempo. Um agora é um agora num relógio em qualquer parte do planeta, mas um agora no sofrimento não é um agora na felicidade.

O agora acarreta uma certa dose de angústia, algo que deriva de duas suposições básicas:

 

Agora – “Estou bem” – “Que nunca acabe”

 

Agora – “Estou mal” – “ Que acabe depressa”

 

Curioso seria afirmar que este pensamento apenas surge quando acontece a consciencialização do momento corrente. E que significaria tal? Até ao surgimento desse pensamento a angústia seria inexistente? E isso acontece apenas quando estamos “bem”? Ou seja, quando estamos “mal”, a consciencialização do agora “que nunca acaba” está sempre presente e assim, a correspondente angústia?

O estar “mal”, no limite, transporta-nos para o crivo da psicopatologia. Em contacto com distúrbios ansiosos e depressivos o agora deriva, agora, de duas suposições básicas:

 

Agora – “Estou mais ou menos bem” – “Por favor que dure mais um pouco”

 

Agora – “Estou muito mal” – “Por favor que acabe depressa”

 

Neste caso, campo evidente de angústias e ansiedades, o potencial dano do agora será maior. Não existe qualquer relação de prazer com o momento – agora. No limite haverá um conforto derrotista do género “já foi pior que agora”.

Ok... e agora? Agora digo-vos que não é fácil trabalhar no agora, terapeuticamente falando. Não é fácil para o doente trabalhar a angústia do agora quando do futuro o vislumbre praticamente não existe. Contudo, como todos sabemos, depois do agora vem o depois. Ninguém consegue é garantir que nele não exista angústia.

 

Rui Duarte

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sara Silva (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Maio 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: