6.8.14

 

Podemos encarar o problema da delinquência de duas maneiras: como forma de expressão ou o resultado da incapacidade de controlar impulsos mais instintivos. Dentro desta visão, a delinquência suscita-nos uma certa compreensibilidade, derivada do entendimento da natureza mais animal do ser humano, mas também de uma criatividade esboçante de querer ir além, da qual origina a transgressão.

O comportamento criminoso pode iniciar cedo na vida ou ser potenciado mais tarde, dentro de um contexto que expõe as fragilidades éticas do indivíduo. Seja de que modo for, há sempre uma interação entre a vulnerabilidade do outsider e a efervescência do meio envolvente.

A profilaxia de uma problemática como a delinquência deveria ser um esforço coletivo de reeducação da própria sociedade, sendo certa, contudo, as suas próprias limitações. Não podemos esquecer a grande correlação que existe entre a delinquência e as condições socioeconómicas precárias. A pobreza, fruto de políticas injustas e ultrapassadas, é talvez o maior crime a ocorrer em pleno século XXI. Qual percentagem de responsabilidade deve ser imputada a um jovem, cuja realidade sempre foi de carência, falta de afetividade, falta de incentivo a uma melhoria de vida, violência?

Podemos, individualmente, não ter cognição sobre a nossa contribuição na construção de um mundo melhor. Mas, a partir do momento em que começamos a eliminar os subtis comportamentos de esquiva do núcleo da nossa personalidade, começaremos a resgatar os outros, e a nós mesmos, da marginalidade afetiva, dando bons exemplos e tecendo a teia da reconstrução da dignidade societária.

Tanto mais desenvolvido um país, quanto melhor for a sua educação. Não é só preciso toda uma aldeia para criar uma criança. É também precisa toda uma sociedade para encontrar respostas aos problemas sociais emergentes.

 

Marta Silva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Agosto 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: