29.7.16

Mouth-GianniCrestani.jpg

Foto: Mouth – Gianni Crestani

 

Diz-se que existem três coisas que, quando partem, nunca regressam, designadamente a palavra proferida, a pedra lançada e a oportunidade perdida. As caraterísticas materiais e formais destes objetos, em sentido restrito, conferem certa qualidade que adjetiva a ação, assim, dependendo do impacto causado, nada garante que haja uma segunda vez, a menos que o sujeito a crie para se retificar e seja entendido como tal.

Todavia, é inevitável que ocorram estes incidentes, quer seja por ignorância, desinteresse, ou falta de atenção, nalguns contextos mais propensos à aceitação do risco a prediposição para errar é, mais do que a assumpção da natureza humana, uma abertura para o aprendizado num processo de transformação da matéria de forma criativa. O caminho para a inovação ou desenvolvimento implica cometer erros através dos quais aprendemos a lição e melhoramos a nossa prestação nas ocasiões futuras até acertar, numa sequência de tentativas incertas.

Numa aldeia cada vez mais global, em que o espaço transcende a dimensão física, perdem-se as referências e conteúdos locais devido ao imperialismo de protótipos externos que ganham relevância devido ao descohecimento ou fraca consolidação dos modelos locais. Essa baixa compreensão e desinteresse pela cultura local é campo fértil para a aceitação de ideias rotuladas de ocidentais por alegadamente serem melhores que as locais.

Uma ideia deve ser tratada como tal, um ponto de partida, exigindo algum rigor, profundidade e cuidado, o que implica uma apreciação prévia antes de passar a fase de aceitação ou refutação. Pelo método científico o pesquisador, partindo de uma inquietação válida e conhecida, define pressupostos estruturalmente consistentes e com base em instrumentos robustos recorre ao campo para recolher dados imparciais com vista a sua validação face aos pressupostos previamente definidos, e assim poder emitir uma opinião materialmente relevante.

Para alguns a especulação alimenta a ânsia pela verdade, para muitos a especulação confunde-se com a verdade, pois não se permitem aprofundar as matérias muito menos despender um processo mental, nomeadamente de investigação, explorando a arte de pensar nas dimensões de perguntar e de duvidar, e daí formar uma opinião sólida e própria que resulta da consolidação do conhecimento gerado neste processo.

 

É interessante notar a força da especulação que ganha supremacia num ecossistema em que o conhecimento não é prioridade, à medida que for sendo repetida de forma ressonante ofusca a intuição humana, ganha contornos de verdade e levará algum tempo até que a verdade absoluta se sobreponha e recupere o seu lugar.

Não é de estranhar que vulgaridades encobertas pelo populismo tenham alguma preponderância relativamente à verdade, é o mundo de quem fala mais alto ou mais depressa. A franqueza com que é proferida uma verdade com algum nervosismo à mistura fragiliza a antítese, a menos que haja um juízo competente, independente e imparcial para neutralizar a subjetividade e focar-se no objeto avaliando não só as palavras, mas também o contexto em que se insere e a linguagem corporal. Com algum ceticismo diria que, enquanto houver espaço para a manipulação do processo, os meios podem justificar os fins no curto prazo, mas a verdade revelar-se-á.

 

António Sendi

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Julho 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: