8.4.14

 

De cobertor, paus e outros objetos para a brincadeira na mão, saltávamos pedras e riachos para chegar à árvore que tanto desejávamos. Com muito engenho e imaginação construíamos a “cabana”. Era o nosso espaço improvisado. Ali, ficávamos com os outros objetos para a brincadeira, inventávamos e encenávamos histórias, e fazíamos joguinhos improvisados. Era o nosso refúgio e o local das nossas brincadeiras. Quando o dia começava a cair, sabíamos que os nossos pais não nos perdoavam: desmontávamos a “cabana”, voltávamos a carregar o cobertor, os paus e outros objetos para a brincadeira e, saltando pedras e riachos, voltávamos a casa. Em casa eramos alvo de um questionamento que, neste momento, para mim, faz sentido. Nessa altura não percebia bem porque se preocupavam com tanta intensidade; afinal só tínhamos construído uma “cabana” e com tanta felicidade, meu Deus! Respondíamos a todas as perguntas sem que a mentira aparecesse nas palavras. Éramos felizes… crianças felizes com brincadeiras que, nessa altura, exigiam algumas competências e algum esforço. Era preciso esforço para brincar, mas esse esforço trouxe-nos, com certeza, uma forma de estar na vida diferente. Vejamos: a cabana e a televisão; a cabana e a playstation e; a cabana e o (mau) uso da Internet… o que nos parece melhor? Eu não sei! Sei que, no contexto atual, o uso da televisão, da playstation e da Internet é alvo de muita análise, reflexão e discussão. Sobre os benefícios e malefícios da construção da “cabana” nunca ouvi falar. Nunca fiquei dependente dela, nunca me aborreceu, permitia manter as minhas relações de amizade e proporcionava o desenvolvimento da minha imaginação. Não sei porque a construíamos, dado que poderíamos fazer o mesmo sem ela. Talvez o fizéssemos porque fazia frio a maioria dos dias… talvez fosse essa a razão. Demorávamos algum tempo a construí-la, por isso, deveria existir um motivo importante. Hoje questiono-me porque deixámos a construção das “cabanas”. Porque é que as cabeças das nossas crianças estão mais “comodistas”, com todas as consequências negativas que esse facto traz para a saúde mental e física das nossas crianças? Porque não lhes ensinamos a construir “cabanas”? Porque não lhes ensinamos a escolher os objetos para as brincadeiras? Estamos também “comodistas”, ou já esquecemos? Teremos muito trabalho, o que nos permite não ter tempo para esse ensino? (a falta de tempo ajuda-nos sempre a desculpabilizar para não ensinarmos a construir “cabanas”). Teremos dificuldade em voltar ao tempo das “cabanas” ou não sabemos desconstruir as atuais práticas de “brincadeira” para passarmos a outras: às “cabanas”. Bem, a nós ninguém nos ensinou… pois, é verdade! Como não tínhamos a televisão, a Internet e a playstation, a nossa cabeça tinha de fazer algum esforço para brincar. Agora, as crianças brincam? Possivelmente, sim. Não brincam como nós brincávamos, disso eu tenho a certeza! Terá isto, consequências futuras? A minha interpretação diz que sim. Eu gostava muito das “cabanas”! Era muito feliz com elas! O resultado final fazia com que pensasse que era eficaz no que fazia… a minha autoestima melhorava… afinal, era capaz de construir uma “cabana”! O frio diluía-se com a presença dos meus amigos e com as brincadeiras que inventávamos. O significado que isto tinha! Será que posso agradecer ao frio, à montanha, aos meus pais, que me deixavam construir a “cabana”, ou a mim mesma, que gostava de o fazer? Sei apenas que terei de agradecer a alguém, porque a construção da “cabana” ensinou-me tanta coisa! Ajudou a construir-me com esforço individual. A “cabana” é apenas um exemplo!

 

Ermelinda Macedo

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Abril 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
24
26

27
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: