25.7.16

Logo-GerdAltmann.png

Foto: Logo – Gerd Altmann

 

Descobri a dificuldade em encontrar algo na vida, ou no mundo, que seja irreversível, e não encontrei. Num primeiro olhar achamos que a morte e o tempo são irreversíveis. Tudo me surge como sendo reversível em algum momento ou circunstância, o que me proporciona uma sensação de tranquilidade na existência.

Quantos já ultrapassaram o limbo que separa a vida da morte e foram resgatados desse túnel luminoso que dizem conduzir a uma paz eterna! Os fusos horários apresentam-se como uma forma divertida de viajarmos no tempo. Podemos avançar ou recuar no tempo, pelas 24 fatias da Terra, tendo como referência o meridiano de Greenwich. É-nos oferecida a oportunidade de repetir minutos ou horas já vividas, ou a possibilidade de saltar no tempo sem desfrutar desse tempo residente de um qualquer fuso horário do nosso passado.

Quantas vezes no percurso da nossa própria vida, reconhecemos períodos ou fases que nos transmitem a sensação de estarmos a reviver algo que já tínhamos experienciado anteriormente. Como se de uma espiral se tratasse, parece que a vida nos desafia a reexperienciar a mesma situação com uma nova roupagem, talvez com a intenção de nos fazer aprender e evoluir para um patamar acima. Tal como a cadência de noite e dia, a sequência das estações do ano, primavera, verão, outono, inverno, primavera… em que cada instante parece idêntico ao anterior, deixando-nos atordoados nestes movimentos de rotação e translação.

 

Prefiro encarar a irreversibilidade como sendo uma convenção utópica, castradora de sonhos e de aprendizagens, inibidora do desenvolvimento e da evolução. Porque a vida é feita de avanços e recuos, aprendizagens e repetições, de segundas oportunidades!

 

Tayhta Visinho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Julho 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: