20.5.15

Bebedo.jpg

 

Chamava-se Luís mas todos o tratavam por Luís Dança. Veio de fora e vivia sozinho num pequeno casebre que uma qualquer boa alma lhe cedeu. Nunca recebeu visitas e não se lhe conhecia família. Dizia-se que tinha uma filha, casada e bem posicionada na vida, mas a hipotética parente nunca apareceu para confirmar a sua existência. Para viver contava com a caridade alheia e pequenos biscates que fazia, quando lhe era solicitado. Um martelo e um fio-de-prumo, e era vê-lo a construir muros em pedra com uma perfeição tal que fazia dele um pedreiro respeitável. Humilde e educado de aspeto frágil, foi adotado pela aldeia quando para ali se mudou. Homem de paz, com todos se relacionava bem e todos nele confiavam.

Mas, se a relação com os seus semelhantes era pacífica já o mesmo não acontecia com o dinheiro. Não queria nada com o vil metal. O desprezo era tanto que se livrava dele da forma mais degradante que conhecia, o álcool. Se, dos pequenos trabalhos que fazia, lhe pagavam em dinheiro, só voltava a trabalhar quando este tivesse desaparecido do seu bolso para a caixa da taverna do Sr. Abel. Nesses dias Luís Dança arrancava-nos à pacatez da vida na aldeia e prendava-nos com danças acrobáticas e exercícios de equilíbrio. Era exímio na dança com o copo cheio na testa sem que dele se soltasse uma gota do precioso líquido. Por vezes aventurava-se no canto, mas aí já não era tão perito, porque a voz denunciava o seu estado. E foi assim que a seguir ao nome que os pais lhe deram, a aldeia acrescentou o “Dança”. Quando lhe perguntavam porque bebia, a resposta não vinha embrulhada em enigmas filosóficos - para gastar o dinheiro. Ter dinheiro incomodava-o, não lhe deixava ter descanso.

Contava-se que uma das vezes em que tinha uns trocos no bolso, não conseguindo convencer o Sr. Abel a levantar-se, a altas horas da noite, para lhe servir uns copitos, deitou o dinheiro à rua. Não sei de outra razão para tamanho desprezo senão a que ele dizia em jeito de homem sábio, que o dinheiro muda o homem e ele não queria mudar. Poderão existir outras razões para além desta, sendo que esta nem sequer é, para mim, uma razão válida para se relacionar tão mal com o dinheiro, mas concordo com o princípio de que o dinheiro muda o homem. Muda o homem, as pessoas com quem se relaciona e tudo o que o rodeia. Mas, contrariamente ao Luís Dança, eu não me importava nada de mudar, promoveria essa mudança. Policiar-me-ia para que não fosse o dinheiro a ditar as regras da minha vida mas saberia reduzi-lo àquilo que ele é, um meio de concretização de sonhos, meus e dos outros, de bem-estar, de liberdade e generosidade.

 

Cidália Carvalho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Maio 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: