14.9.15

YogaExercise-AnnaLangova.jpg

Foto: Yoga Exercise – Anna Langova

 

Se pensarmos naquilo que nos distingue como humanos, parece-me improvável que a noção de consciência não aflore, rapidamente, à nossa mente. É, pelo menos, assim comigo. Somos seres conscientes, com capacidade para mergulhar em memórias passadas e em planos futuros; com possibilidades para tomar consciência de cada ação e respiração do nosso corpo... Mas então, num mundo repleto de estímulos e sofisticadas distrações, a nossa consciência afasta-se frequentemente de nós próprios.

Entre preocupações, previsões e preparos, torna-se natural corrermos o mundo de olhos no que ainda não chegou. Os “pres” parecem-me, todavia, antecipações parcialmente desnecessárias. Isto é: quanto tempo passamos com foco em algo que nunca existiu e desvalorizamos, assim, o que de facto nos rodeia?

E depois há as memórias, e as profundas viagens na senda do passado. Não pretendo criticar planos ou lembranças; proponho somente um olhar, uma reflexão, uma tomada de consciência: entre os aléns abstratos onde nos escondemos, onde fica a consciência de onde estamos, do que sentimos e do que, no fundo, somos verdadeiramente?

A meu ver, consciência é o que somos mas, simultaneamente, o que está mais longe de nós próprios; aquela essência ou capacidade que deveríamos procurar com mais força. Quando foi a última vez que nos sentámos conscientes de cada inspiração sem qualquer apego a noções de tempo?

Entre hábitos e impulsos as nossas ações seguem-se sem grande consciência – e assim caminha, como uma sombra invisível, a nossa verdadeira essência a nosso lado. Quando foi a última vez que largámos quaisquer rótulos para desfrutar simplesmente da nossa existência, por um momento?

Consciência de cada ação, de cada emoção e de cada sensação no nosso corpo – esse é o meu yoga, a procura de cada dia. É uma forma de união connosco mesmos, com uma mais autêntica forma de existência. Antes dos rótulos sociais; para além das abstrações no tempo.

Consciência de cada momento e aceitação do presente. Fusão com o espaço e ... enfim, falo somente de experiências pessoais de consciência. Um caminho, a meu ver, digno e belo de ser explorado. À experiência de ser conscientemente; a resposta: felicidade. Súbtil, esmagadora felicidade.

 

Isabel Pinto

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Setembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

15
17
19

22
24
26

29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: