5.10.15

FotografiasCampoConcentracao.jpg

 

O tempo é relativo e não pode ser medido exatamente do

mesmo modo e por toda a parte.

Albert Einestein

 

Sobressaltado, instinto de defesa em alerta, senta-se no catre. Do corredor chegam-lhe vozes que gritam não sabe o quê. Parece-lhe que choram mas ao choro sobrepõem-se vozes que parecem zangadas. Aproximam-se com passos rápidos e tão coordenados que parecem um só. Estão perto, cada vez mais perto. Um pontapé e escacaram a porta, entram bruscamente. Os gritos são ordens para se levantar. A tremer, de medo e frio, veste o que se imagina já ter sido uma camisola e, sempre em andamento, enfia as pernas numas calças esfarrapadas. Está assustado, o catre e o lugar exíguo, mal iluminado com ratos a disputar a vida com os homens, parece-lhe agora um lugar seguro. Quer recuar para esse lugar seguro mas é empurrado para a frente, para o corredor que é tão escuro como o cubículo de onde foi expulso. Quer fugir dali mas as pernas não cedem. E se cedessem para onde iria? Sente-se desfalecer. Uma mão segura a sua e aperta-a com força. Reconhece essa força, mantém-se direito com a dignidade que o pai lhe ensinou. Caminham de mãos dadas. Duas mulheres seguem à frente. Uma, a mais velha, está tão vergada pela dor que em altura se nivela pela mais pequena. Também elas caminham de mãos dadas. Ouve-as sussurrar e a voz que lhe chega acaricia-lhe a alma. A porta no fim do corredor dá para dois pátios, os homens vão para o da direita, as mulheres para o da esquerda. Ele larga a mão do pai, quer acompanhar a mãe e a irmã, mas a mãe repele-o e empurra-o para o lado do pai. Quer chorar mas as lágrimas não saem. Aguenta tudo e tudo não tem sido pouco, mas ser rejeitado pela mãe causa-lhe uma tristeza de morrer. Debate-se para ficar junto dela, agarra-lhe o vestido mas ela vira-lhe as costas.

 

O seu nome gritado fá-lo sentar-se na cama. Está alagado em suor e lívido de terror. Mais um daqueles pesadelos que há de acabar com ele. Durante anos as cenas de terror vividas no campo estiveram agrilhoadas na sua memória. Aprendeu a relevar o que fizeram com ele e com a sua família porque considerava que, mais importante do que aquilo que lhes fizeram, era o que ele iria fazer com isso. Conseguiu viver com alguma normalidade até ao dia em que revisitou o campo. No corredor que percorreu com os pais e a irmã e que haveria de os separar para sempre, a fotografia da mãe acariciou-o com o olhar. Se ao menos ele lhe pudesse agradecer pela vida que ela lhe salvou! É que, ao afastá-lo para o lado do pai, ela sabia que lhe salvava a vida porque os homens eram aproveitados para trabalhar, as mulheres eram fuziladas mesmo ali.

Memórias que o tempo não apaga.

 

Cidália Carvalho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Outubro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

13
15
17

20
22
24

27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: