11.11.16

Learning-SasinTipchai.jpg

Foto: Learning – Sasin Tipchai

 

A comunicação formal e ativa por meio das redes sociais é o percalço do mediatismo e da mediocridade. Trata-se do exercício de descontração da especulação, abordar factos alheios à sua esfera, de forma destemida, sem possuir fundamentos, não se permitindo questionar e, sucessivamente, ir buscar respostas construtivas. Uma comunicação digna de realce deve ambicionar como target um mercado distinto e diferenciado, devendo a priori resolver o conflito existencial da interpretação do tempo e espaço, da objetividade dos factos e do seu posicionamento face à matéria em análise.

O passado, o presente e o futuro, são tempos cronológicos soltos que se desenrolam de forma sincronizada formando uma linha sensível devido ao seu caráter de continuidade. A distância que os separa não existe no plano temporal, somente no espaço existencial das pessoas, principalmente as que têm o relantim do relógio acelerado.

No mundo da moda, vasta maioria desapega-se do trabalho que exige esforço físico e/ou mental, envolvidos com o calor da zona tropical propagado pela brisa do índico. O prestígio, qualidade que constitui desiderato de todo o ser humano, é deveras laborioso e sinuoso de tal força que muitos conspiram, cometer atropelos, tal fenómeno social do encurtamento de rotas, caindo na fácil tentação de cometer o mal para o ganho fácil, desconsiderando o essencial: competência, ética e mérito.

 

O prestígio é um presente muito valioso, é o diamante que todos gostariam de receber mas não querem merecê-lo. Com ele aprende-se a ser intenso e a desafiar constantemente um novo e próprio modus vivendi, as leis da física sendo assim matéria-prima para os cientistas sociais e não só, constituindo-se acervo informacional para a escritura de um futuro best seller.

Atividades do quotidiano que designaria de empreendedorismo social, como é o caso do voluntarismo, são de mandatos irrevogáveis com renovação tácita, pouco atrativos no curto prazo devido a isenção de uma remuneração fixa, adotando uma lógica de remuneração dos fatores em regime de sucess fee associado à incerteza da sua eficácia. Elas asseguram, antes, o acesso a networking ou capital social, fonte de vantagem competitiva sustentável da nova era.

Nesse ecossistema a avaliação de desempenho é contínua e em tempo real, a sua versatilidade e exposição permitem comunicar-se com um público diversificado e vasto que futuramente irá assegurar vantagem de fazer-se conhecer, permitindo que se evolua a passos largos à omnipresença e até, porque não, a unanimidade em modelos de governação inclusivos.

A pessoa esclarecida sabe a nítida diferença entre espaço e tempo e vive como se fossem iguais. O seu ofício não é tratado com extrema modéstia sujeitando-se a estabelecer limites temporais para a sua implementação, o que colidiria com a entrega ao trabalho, compromisso com excelência e orientação no resultado. O seu foco é o objetivo de curto e de longo prazo, não é ao acaso que a vitalidade do setor produtivo requere que seja altamente competitivo e adote esse modelo operacional. A gestão por objetivos exige assim maior rigor, disciplina, motivação e competência.

Voltando à intensidade, alguém terá dito que apesar de teoricamente estar em igualdade de circunstância, desencorajava-se a pretender um papel de direção de um organismo, por exemplo, quando existem técnicos sem conflitos de interesse que possuem igual ou superior habilidade técnicas mas, sobretudo, conhecem melhor os contextos e histórias à volta, elementos diferenciadores na liderança de ambientes com uma significante diversidade cultural.

Dito isto, destaca-se a máxima de Mahatma Ghandi segundo a qual “O melhor presente que um pai pode dar ao seu filho, é educação”. Somente pessoas preparadas para os desafios do amanhã saberão brilhar em ambientes adversos.

 

António Sendi

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Novembro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
24
26

27
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: