28.8.15

TheManFaceInTheHands-GeorgeHodan.jpg

Foto: The Man Face In The Hands – George Hodan

 

Consciente ou inconscientemente, cada um de nós carrega em si mesmo uma multiplicidade de “eus”, seja por força das circunstâncias, das experiências, das pessoas, ou de nós mesmos. Diferentes pessoas arrancam diferentes eus de nós mesmos: há aqueles que conseguem tirar de nós a mais amável das pessoas e outros que despertam o espírito mais malévolo que habita dentro de nós. Tão depressa podemos estar a dançar e cantar, soltando a veia artística que corre em nós, como, em questão de minutos, podemos estar retrospetivos e circunscritos dentro do nosso próprio mundo, qual caranguejo dentro da carapaça. Somos moldes de nós mesmos.

Todos os dias, cada ser humano se adapta a novas situações, circunstâncias, desafios… Mudamos de papel na mesma medida que a nossa vida muda de cenário, rumo ou direção. Se olharmos para dentro de nós, descobriremos uma incalculável e inesperada variedade de “eus”. Talvez por isso admiremos tanto Fernando Pessoa, não só pelas suas obras literárias, mas especialmente pela descrição deslumbrante dos seus múltiplos “eus”.

Ao longo da vida, ao longo de um dia, de uma hora, às vezes em questão de segundos, assumimos múltiplas facetas, personalidades, papéis, ainda que nem sempre tenhamos consciência de tal. A nossa (in)consciência acaba por criar e determinar o papel da personagem que seremos a seguir, provavelmente diferente do que fomos ontem, do que somos agora mesmo, neste instante.

Sendo e vivendo nesta multiplicidade, ainda que não em plena consciência, vamos sendo isto, mas também o seu contrário, seres antagónicos, a voz de inúmeras contradições, olhares paradoxos…

A multiplicidade é a expansão de nós mesmos, uma forma de nos conhecermos melhor, descobrindo em igual medida os nossos limites. É a incessante descoberta de “eus” que nunca acabam e que vão acontecendo na vida.

 

Sandra Sousa

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Agosto 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
20
22

23
25
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: