19.9.14

 

Foi em 2001. Eu tinha trinta e três anos e a convicção plena de que já sabia tudo sobre a vida. Acontece muito, penso eu, ou pelo menos a mim aconteceu-me. Sabia tanta coisa… agora cada vez sei menos. Mas naquela altura, sentia que o mundo era meu e que tinha descoberto qualquer coisa que escapava a todos. Por vezes, a arrogância não é mais do que ignorância e a ignorância não é mais do que ingenuidade. E ingenuidade é apenas ainda ter muito para aprender e não saber disso.

Estávamos em Setembro e eu viajava de carro pelos States, em pleno Setembro de 2001, logo a seguir aos atentados. Estava de férias e sem rumo certo, a ir à deriva dos acontecimentos por uma América que sempre quisera conhecer. Tirando as apreensões a considerações próprias do momento e a inevitável vontade de fazer uma análise sociológica e pretenciosa daquele povo, colocado naquele momento impossivel de acreditar, para mim estava tudo bem. Tinha respostas para tudo.

Descía a costa desde São Francisco até Los Angeles, pela famosa Highway 1 cheia de curvas e beleza. A noite tinha sido passada algures em Big Sur. Onde tinha calhado, mas de encontro aos meus desejos. Demasiado Jack Kerouac, presumo. Eram sete da manhã e havia que seguir viagem. O sol tinha acabado de nascer, estava uma luz magnífica.

Não havia onde tomar o pequeno-almoço e eu entrei numa pequena cabana debruçada sobre o Pacífico, uma espécie de mercearia local, a única à vista por ali, à procura de algo para comer. Enquanto tentava decidir-me entre um muffin fat-free, ou all-brain, ou “normal”, e perceber qual era a diferença entre eles e qual ia melhor com uma taça de café americano, ouvi uma voz. Alguém me dizia olá e perguntava de onde era. Eu não sou famosa pela minha simpatia e sociabilidade, muito menos de madrugada e antes do café. Dirigir-me a palavra nessas condições é quase loucura. Mas os americanos não parecem conhecer os perigos dessa interpelação e qualquer coisa naquela voz me deu vontade de olhar, estimulou os meus sentidos.

Olhei. Era um senhor de, calculei eu, uns sessenta e muitos anos. Afro-americano, como se diz por aqueles lados, se calhar com mais idade porque eu não sou muito boa nesses cálculos. Tinha uma voz calma e um sorriso contagiante e, em vez de me parecer um desconhecido metediço, pareceu-me só um amigo de longa data que reencontava ali e com quem tinha que falar, por algum motivo. Expliquei-lhe que era portuguesa, do Porto; que estava de férias e que lamentava muito o que se tinha acabado de passar. Que, se não fosse isso, estava a adorar as férias e que Big Sur era tão magnífico quanto sonhara.

Ele respondeu que sabia onde Portugal era (é perto de Paris, não é – para um americano, por acaso é mesmo. Eu disse que sim). Ele explicou que tinha um sobrinho a estudar em Paris. Trocamos mais meia dúzia de palavras, eu fui pagar e disse-lhe que tinha que ir embora mas que tinha gostado muito de o conhecer.

Ele sorriu para mim.

- You go now, girl. And enjoy your life, because it’s precious.

Eu sorri de volta, “thanks I will, stay well”, enquanto saía, e ainda ouvi novamente, “enjoy your life”.

Nunca mais o vi, às vezes duvido se foi real, não me recordo sequer como se chamava. Mas o que é certo é que, quando me vou abaixo, quando estou lá no fundo do poço, vejo-me de novo naquela falésia, numa cabana rústica, com aquela luz de início de dia em que tudo é possível e ouço aquela voz a dizer-me, basicamente, para ser feliz todos os dias.

Atualmente só sei que nada sei. Mas há uma coisinha que eu sei: aquela foi a lição mais importante da minha vida.

 

Dora Cabral

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Setembro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
18
20

21
23
25
27

28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: