27.10.14

Sucesso.jpg

 

Não existe receita mágica para se atingir objetivos ambiciosos, a fórmula do sucesso foi definida há muito tempo atrás e com recorrência temos assistido a tentativas frustradas de contornar essa lógica. Daquilo que se sabe e que de bom se pode colher dos eruditos é que o sucesso é resultado de muito trabalho, entrega, disciplina, método e atenção seletiva entendida como “foco no meio de estrépito indica atenção seletiva, a capacidade neuronal para nos concentrarmos apenas num alvo, ignorando ao mesmo tempo um mar ondulante de estímulos, cada um deles com um foco potencial", Goleman (2014).

O sucesso pressupõe um processo cíclico e organizado de gestão estratégica de recursos, âmbito e resultados, variáveis com forte grau de dependência entre si. As fases que compõem a consecução do sucesso obedecem, regra geral, ao seguinte faseamento: planeamento, organização, liderança e controlo.

O primeiro passo para o sucesso é definição de objetivos realísticos que possam orientar a nossa atuação presente, um guia e orientação clara sobre como agir no presente para alcançar nossas metas no futuro, de curto, médio e longo prazo. Consoante o horizonte temporal, mais complexos se tornam os objetivos definidos e específicas são as atividades operacionais, havendo alinhamento entre os objetivos de curto, que orientam para os médios e estes para os de longo prazo.

A segunda fase é organização que consiste, após definição de objetivos, na identificação de recursos e arrolamento de capacidade endógena e exógena, necessários para a formação de um veículo responsável pela administração das ações conducentes ao alcance do sucesso. Nesta fase aquilatam-se as capacidades existentes e de forma seletiva identificam-se os recursos críticos e indispensáveis e os que podem ser externalizados tendo em consideração, fundamentalmente, o sacrifício envolvido na contratação de recursos externos.

Uma vez definidos os objetivos e identificados os recursos, a fase posterior é meramente de articulação – designada de liderança, fase crucial e transversal a todos os níveis hierárquicos que pressupõe comunicação, motivação e responsabilização, assegurando uma efetiva coordenação dos recursos e que estes possam dar resposta aos objetivos que foram impostos.

A quarta e última fase é de avaliação sistemática dos resultados alcançados face aos definidos para avaliação de desempenho. Com base nas métricas definidas apuram-se os desvios e tomam-se medidas necessárias para assegurar eficácia e eficiência da nossa atuação face aos objetivos definidos.

Indagado sobre a receita mágica para o sucesso não se adivinha uma resposta fácil porém, é momento ímpar para iluminar, sem eliminar ou canibalizar, a vivência consentida pelo inquiridor, compensar a humildade demonstrada e preencher a necessidade de busca de modelos para a almejada receita mágica.

 

António Sendi

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

De Marion Marques a 18 de Novembro de 2014 às 17:01
Gostei muito do artigo .

Estou plenamente de acordo .

Marion

De Jose Carlos F. Pereira a 27 de Outubro de 2014 às 17:16
Mais um bom artigo Sendi! Eu partilho numa linguagem mais simplificada que a fórmula do sucesso é um conjunto de bons juízos de valor repetidos ao longo do tempo, assim como a fórmula do insucesso é um conjunto de maus juízos de valor repetidos ao longo do tempo. É simples mas não é fácil!
Mas como fórmula (melhor chamar modelo) tem regras, obriga a conhece-las bem, a um bom auto-conhecimento e capacidade para as colocar em prática (acção) com um boa análise do enquadramento e capacidade de liderança para utilizar o processo de influência – em poucas palavras, “sucesso é conseguir o que queremos”.
Com quem mais aprendi foi com Napoleon Hill – entrevistou 16.000 empresários de sucesso em 25 anos (apadrinhado pelo Andrew Canargie) – características que podem ser desenvolvidas em qualquer um (com método). Numa primeira fase persistência e depois muita consistência e disciplina! Abraço

De Cidadão Atento a 28 de Outubro de 2014 às 10:47
Certamente José Carlos, concordo absolutamente consigo.
Gostei particularmente da génese do seu argumento, uma abordagem simplista mas consistente: sucesso é o conjunto de bons juízos de valor repetidos ao longo do tempo.
Em velocidade cruzeiro e numa fase de maturidade do ciclo de desenvolvimento da racionalidade, o instinto e intuição ocupam espaço no comité decisório do nosso processo cognitivo, graças as experiências adquiridas e consolidadas.
Obrigado pelo seu contributo!
Abraço

De Dário Pessa a 27 de Outubro de 2014 às 16:05
Correcto. Estou plenamente de acordo!!
O foco é certamente a 1ª regra de Sucesso acompanhada do Optimismo, que por vezes sentimos uma sensação de amargura em algumas etapas de nossas vidas que são as mais difíceis e complicadas mas quanto mais próximos estamos, a firmeza e a fé oscilam, parecendo um teste da parte divina, se realmente o que está por vir será bem recebido e estimado e será uma modificação plena ou será simplesmente o inverso.

Melhores Cumprimentos

De Cidadão Atento a 28 de Outubro de 2014 às 10:53
Há uma força interior que nos orienta nas decisões que tomámos, das menos às mais complexas. A quantidade de neurónios que participam é variável, menos nas decisões rotineiras e maior volume nas decisões estratégicas.
O foco exige conhecermos a nós próprios e as regras básicas que devemos respeitar para manter altos níveis de concentração e de foco.
Abraço

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Outubro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: