26.9.16

Game-Bank-StefanSchweihofer.jpg

Foto: Game-Bank – Stefan Schweihofer

 

Não existe melhor jogo que a vida, nem pior.

Tal como num casino temos várias modalidades onde podes apostar, sendo que, existem umas em que a hipótese de sucesso fica inteiramente à sorte (ou ao azar) e, outras em que podes manipular um pouco mais as tuas chances.

Na roleta, por exemplo, apostas nos números, nas cores, nos pares ou impares etc.. Faites vos jeux e a bola rola. Sem interferências ou piedade. É bom que tenhas apostado bem porque o que saiu, saiu. Quando tudo para, fazem-se as contas.

Já no Blackjack as coisas são diferentes. O que saiu, saiu. Fazem-se as contas e decides se apostas ou não.

Depois existem outros tipos de jogos. Os menos legais (ou vigiados), menos transparentes. Joga-se pela calada, em que muitas vezes sai vencedor o que conseguiu contornar as regras. Ou não ser apanhado. Uma sueca entre amigos não está seguramente na órbita da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Assim como muitos outros jogos que rolam na clandestinidade das cidades, vilas e aldeias.

 

Na roleta joga-se muitas vezes a saúde. Nascemos com marcadores genéticos, permanecemos em hábitos e comportamentos. A bola vai rolando e nunca se sabe o que vai sair e quando vai sair. A medicina manipula resultados, é certo. Mas para quê? No final tudo morre. A saúde é roleta onde nunca se ganha.

Na escolha e carreira profissional joga-se como no Blackjack. Apostas para entrar, vais andando e vês se continua a valer a pena. Claro que por vezes parece que tens uma mão vencedora, apenas para descobrir que o dealer que te emprega no final levou a melhor.

 

Depois existe o amor. Vale tudo, diz-se. Joga-se às claras e às escuras. Assumido ou clandestino. Sem regras e sem árbitros. Pode-se manipular tudo e todos desde que se ganhe em proveito próprio. Se calhar dizer que se ama apenas pelo outro é tanga. Conversa de travesseiro e humanidade autoimposta. Não seremos todos egoístas no que toca à autopreservação emocional? Talvez não. Já não sei nada. Entrei a jogo sem ver o livro de instruções.

Enfim, o que tem de bom é que existem apostas mínimas.

O que tem de mau é que às vezes jogaste as fichas todas.

 

Rui Duarte

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Setembro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
13
15
16
17

18
20
21
22
24

25
27
28
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: