27.6.16

Baby-PublicDomainPictures.jpg

Foto: Baby – Public Domain Pictures

 

Somos seres humanos e, intrinsecamente, precisamos de amor, de amar e ser amados, precisamos uns dos outros, e o que nos mantém ligados uns aos outros, são os sentimentos, os laços que se vão criando.

Precisamos, desde tenra idade, do amor dado pelos pais, para crescermos felizes. Talvez que a relação mais desigual, em que se dá sem estar à espera de receber, seja com os nossos filhos, sendo que o papel de progenitor inclui cuidar, ensinar, disciplinar e orientar na vida. Esse amor é dado de forma incondicional. Ao longo da nossa vida continuamos a precisar desse amor, precisamos de alguém que cuide de nós e que nos ame. Esse amor incondicional é das formas mais altruístas de amor e não deve ser circunscrito, deve ser alargado e dado em qualquer relação: amigos, entre marido e mulher, entre pais e filhos e até desconhecidos.

 

Uma das formas desse amor, dar sem esperar receber algo, é o voluntariado. Há coisas tão simples, como gestos, sorrisos ou abraços que fazem a diferença em qualquer ser humano. Podemos, inicialmente, pensar apenas que ao darmos contribuímos para a felicidade ou bem-estar do outro, a quem a dádiva poderá fazer toda a diferença; contudo e mais interessante é que o outro a quem demos, dá-nos a dobrar ou a triplicar.

Uma vez encontrei uma senhora que, para mim, é das pessoas mais difíceis para lhe chegar ao coração. Raramente ri, embora já lhe tenha “sacado” um ou outro sorriso. Está sempre virada para o passado, muito metida dentro do seu mundo, passa grande parte do seu tempo sentada numa poltrona e raramente fala com alguém. Essa senhora preocupava-me. Um dia, aproximei-me dela e dei-lhe vários abraços, não me lembro do que lhe disse, mas sei que chorou como uma criança e em cada vez que a abraçava, chorava mais e ria-se ao mesmo tempo, de alegria.

 

Estas situações levaram-me a pensar: “É só isto? Isto basta para sermos felizes? Parece-me pouco.”. Eu acho que, no fundo, o que dou é pouco, mas para quem recebe é tudo. O que dou, às vezes, move montanhas, toca-lhes no fundo da sua alma e choram, do fundo do seu coração, de comoção. Eu dou-lhes, talvez, o que elas precisam, e elas a mim dão-me o que eu preciso. Cada um do seu jeito.

 

Helena Ferreira

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Junho 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
24
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: