27.11.15

WomanAndMask-GeorgeHodan.jpg

Foto: Woman And Mask – George Hodan

 

“Jean Jacques Rousseau definiu civilização como sendo o estádio em que as pessoas constroem vedações à sua volta. (…) Toda a civilização é produto de uma falta de liberdade imposta pelas vedações construídas pela sociedade.” (Murakami, Haruki: Kafka à Beira-Mar).

 

Eu acredito que, no campo individual de cada um de nós, também isso acontece. Aí não lhe chamaria vedações; trocava, então, por máscaras; o invólucro que reveste cada ser, aquilo que está à tua frente. No fundo, a parte mais óbvia. Também entendida, às vezes, como as defesas que cada um ergue à sua volta. A verdade é que o nome talvez pouco importe. Importa, sim, a razão, a mesma independentemente do nome que se dê àquilo que de nós mostramos aos outros. E a razão é o medo! O medo de ser-se quem se é, seja lá o que isso seja e signifique, e dar a conhecer quem se é.

À medida que crescemos, corremos o perigo de ficarmos cicatrizados e de carregar essas mesmas cicatrizes às costas. Provocadas pelos outros ou, tão simplesmente, por nós próprios. É a causa do medo. E o medo, seja de qual for e do que for, impede-nos sempre de sermos livres. O medo de não nos darmos aos outros, presos no nosso próprio casulo, na escuridão onde ninguém chega, como que se vivêssemos aprisionados na nossa prisão interior.

Quando digo dar-se a alguém, refiro-me de maneira a que o outro conheça as mais profundas janelas do nosso ser e/ou da nossa consciência. Ao invés, fechamo-nos na nossa própria concha, qual ameijoa, qual quê! Chegar ao nosso eu mais íntimo dá mais trabalho: aos outros e a nós próprios, com a chegada deles até aí (lá está o medo novamente à espreita!).

O que os outros acabam por ver é o invólucro do qual somos revestidos. Aquilo que tu vês, que está a tua frente, é fácil de gostar, é motivo de simpatia logo à partida. A parte obscura, mais sombria e triste, é mais difícil de gostar e de lá chegar. Esse receio de sermos absolutamente transparentes com o outro, o não conseguir libertamo-nos dele, dá-nos a sensação de que ficamos sempre pela metade, como se algo se fosse perdendo pelo caminho… Faz-nos sentir ocos, vazios, como que se o único som que existisse dentro de nós fosse as soadas constantes e ensurdecedores do nosso próprio medo.

“Medo é fraqueza como nuvem”: uns dias mais soalheiros, outros em que o céu carregada o peso das nuvens. É essa nuvem que pode parecer negra, que é o constante desafio que impões a ti próprio. Pode não ser algo mau, mas quando não nos faz dar o passo em frente, torna-se perturbador. E quando não conseguimos entregar-nos aos outros, também perdemos, todos os dias, um bocadinho dos outros e daquilo que nos rodeia…

 

“As coisas no exterior são projeções do que tens dentro de ti, e o que tens dentro de ti é uma projeção do que te rodeia. Por isso, quando entras no labirinto exterior que te cerca, estás ao mesmo tempo a penetrar no teu labirinto interior. Uma odisseia perigosa, sem sombra de dúvida.” (Murakami, Haruki: Kafka à Beira-Mar).

 

Sandra Sousa

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sara Silva (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Novembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28

29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: