25.6.14

 

Quando tinha 33 anos a minha irmã morreu. Tinha feito 28 anos um mês antes e ocorreu-me um pensamento sobre aquela série de pessoas importantes e famosas que morreram aos 27. Na verdade, mais uma pessoa se juntava à lista — uma pessoa importante tinha morrido, mas esta mais importante do que todas e qualquer uma.

Então aos meus 33 anos a minha vida mudou de repente. A forma como passei a ver as pessoas, os amigos, o tempo, o trabalho, até o sol e os dias de chuva mudou. Os meus sentidos mudaram, até a música ficou diferente. Já não é a mesma canção! A melodia é sempre triste mesmo que seja alegre. Estes opostos esbateram-se — a alegria tem sempre tristeza, a tristeza está sempre na alegria. Há um vazio que me acompanha e que já sabe que assim será sempre, vazio, buraco escuro, oco sem nada que o encha e ilumine. É o lugar da minha irmã, pertence-lhe, não espera que ela volte, mas também não se dará a mais ninguém.

É o lugar de onde saem as lembranças, os pensamentos, o choro, o riso, as saudades, as gargalhadas e a alegria que era dela. Saem dali, espalham-se pelo corpo, ficam a circular no sangue, nas células, na respiração, na cabeça e repousam, ainda que por breves momentos.

Todos os dias penso, lembro, sinto falta, desejo, falo, rio, choro. E luto. Todos os dias luto. Às vezes de preto, outras de coração e alma. Luto para acordar de manhã e ver a luz, o sol e a chuva e sei que aquele dia vai ser assim, mas sem ela. Luto para sair da cama e me levantar e ir lá para fora, sentir o vento, o calor ou o frio, mas não a sentirei a ela. Luto para estar com os amigos, mas estarei sem ela. Luto para ouvir as nossas músicas e ver os nossos filmes e séries que agora são só meus.

Luto para chorar o que tenho de chorar e para rir sempre que me lembro do seu riso, das suas gargalhadas e da sua alegria. Luto para que a alegria dela viva em mim. Luto para que me veja feliz. O tanto que puder ser. Luto sempre. Luto todos os dias. Luto, não acaba.

Luto, luta, lutamos. As duas. Eu aqui e ela onde estiver. Para estarmos sempre uma com a outra, para estarmos sempre juntas até que a morte nos separe. 

 

Patrícia Leitão

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Junho 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28

29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: