14.2.14

 

A palavra “intervalo” tem associado um período de tempo que medeia duas atividades ou dois estados. Assim, penso ser oportuno abordar muito sucintamente a autoregulação. A autoregulação refere-se à capacidade, à competência de adotar comportamentos congruentes com os valores individuais. A autoregulação permite acalmarmo-nos quando estamos aborrecidos ou automotivarmo-nos quando estamos tristes.

Quantas vezes sentimos vontade de dizer e fazer algo que seria socialmente, ou até conscientemente, inaceitável? Esta atitude poderia conduzir a um estado de dissonância cognitiva em que o comportamento não estaria em consonância com os valores pessoais e convenções sociais. Este intervalo que medeia esse primeiro impulso perante o estímulo e aquilo que efetivamente fazemos, a resposta, permite a autoregulação. Trata-se do tempo necessário para nos ajustarmos à situação e agirmos. Sabemos que o comportamento pode ser motivado pelas emoções e sentimentos por isso muitas das vezes traduz-se num comportamento inadequado e impulsivo.

As emoções ativam e motivam o comportamento, e o comportamento motivado pode conduzir ao evitamento, à apróximação ou ao ataque. Os sentimentos, por outro lado, expressam uma reação perante uma realidade, são um sinal que possibilita a autoregulação. É uma resposta subjetiva a uma experiência, realidade ou interação.

Não devemos focar a atenção nas emoções nem nos sentimentos porque, sendo instáveis e dinâmicos, podem conduzir-nos a uma avaliação e resposta erradas. Devemos considerá-los na análise mas, antes de mais, será importante tirar um tempo, fazer um intervalo de pelo menos vinte minutos, se possível, para pensarmos, analisarmos factualmente a situação e racionalizarmos no que faz mais sentido fazermos e dizermos, sempre tendo como referência aspetos essenciais como os nossos interesses, objetivos e valores. Que pessoa queremos e gostariamos de ser? A nossa resposta vai refletir isso ou vai traduzir os nossos medos e receios e inseguranças?

O nosso bem-estar emocional depende da autoregulação, da nossa capacidade de controlarmos a impulsividade e de praticarmos a disciplina. O nosso comportamento deve, sempre que possível, estar de acordo com os nossos valores mais íntimos e refletir coerência com as convicções, atitudes e opiniões, adiando a gratificação pessoal inerente à reação e ao momento.  

 

Ana Teixeira

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Fevereiro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
15

17
19
20
22

24
26
27


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: