20.3.17

Doll-Alexandra.jpg

Foto: Doll - Alexandra

 

Logo de manhã, cerca das nove horas, ouve-se o primeiro grito. Claro que este é seguido por outros, curtos, intensos como os gritos devem ser. Sentado na secretária capto o estímulo auditivo. Preciso apenas de uma fração de segundo para o integrar e compreender. A única ação da minha parte é partilhar com a minha colega de gabinete: "É o F.". Evidentemente que tal era desnecessário. A minha interlocutora não precisava que lhe dissesse de quem se tratava. Não porque o F. seja o único a gritar no local onde trabalho. É sim apenas mais um que também grita. O grito é-nos familiar pelo volume, timbre e colocação. O F. não fala. Nunca o fez. Também não anda e depende de terceiros e de uma cadeira de rodas. Geralmente o F. tende para a indisposição e isolamento. Comunica de forma muito rudimentar e maioritariamente as expressões comunicativas prendem-se com a satisfação de necessidades básicas. Comunica com o corpo, mobilizando as partes que consegue e expressa-se com o som, ausente de palavras mas com contundência relevante.

 

A M. entra de rompante no meu gabinete. "Ó Rui..." inicia ela antes de ser interrompida por mim com um "Bom dia M.". A interrupção surte o efeito desejado e ela responde de volta "Bom dia Rui", colado ao que a levou ali: "Bom dia Rui, quero o desenho de um palhaço". A rapidez com que entrou, a forma como se mexeu, o modo como falou e a sua imagem corporal revelam imediatamente que a M. não está bem. Dou-lhe o desenho e digo-lhe para ir para a oficina de pintura. A experiência por vezes antecipa de forma rigorosa o futuro e, claro, passado algum tempo ouço os gritos. Vêm da esquerda da minha porta e são os habituais. Alguns sem conteúdo, outros insultuosos. Murros nas portas, vidros e cuspidelas. E mais gritos e insultos. A M. é acompanhada para uma sala para efeitos de vigilância e segurança.

 

O C. passa grande parte do seu dia sentado na cadeira de rodas adaptada. Tem paralisia cerebral e não fala. Abre o sorriso quando me vê e agita os braços descontroladamente. Fá-lo não por querer, apenas porque não consegue controlar a tonicidade muscular. Quando olha para a minha mão ele percebe ao que venho. Tal como lhe prometi trago-lhe uma revista nova de automóveis. Recebe-a nas mãos e quase a rasga, enquanto expressa a sua gratidão com sorrisos e gritos. Muitos.

 

O grito é um instrumento comunicativo poderoso. É universal. Pode comunicar uma situação de urgência, dor, desconforto, necessidade e até alegria. A comunicação Humana, como todos sabemos, é extremamente complexa. Reveste-se das mais variadas formas e intencionalidade. O grito é apenas mais um veículo de comunicação. E este foi apenas mais um dia.

 

Rui Duarte

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Março 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
22
23
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: