30.9.16

Bridge-JamesDeMers.jpg

Foto: Bridge - James De Mers

 

A noite inteira na cama, enrolando-se e desenrolando-se no lençol, sem a menor hipótese de sono. De repente, “Good day sunshine”, dos Beatles, encheu o quarto. Deu um salto e olhou o rádio-despertador; eram sete e trinta. Interrompeu o locutor quando este dizia qualquer coisa sobre os cinquenta anos do “Revolver”. Estava hoje tão decidido como ontem em procurar ajuda para mudar a sua vida, talvez ainda fosse a tempo de mudar também o rumo da sua família; continuar a sentir esta vontade era um bom sinal.

Fez uma pausa fixando o olhar no teto escuro e levantou-se. Apressou-se para o banho; não conseguia recordar há quanto tempo não se levantava tão cedo, nem há quanto tempo não tinha pressa de começar o dia. Foi uma sorte ter conseguido aquela consulta tão em cima da hora e não queria mesmo perder a oportunidade, não queria mesmo voltar a perder-se. Olhou-se no espelho e fixou-se na imagem dos seus cabelos em turbilhão, na barba espigada, nos olhos inchados. Apesar de insone, sentia-se cheio de energia, talvez por força da adrenalina provocada por esta sua aposta.

 

- Então, Ricardo, o que dirás à terapeuta? Por onde irás começar? O princípio é sempre um bom começo!

As mãos iniciaram os preparativos do banho e a cabeça começou a lista dos pontos que queria abordar, do que era necessário que falasse mesmo que não fosse relevante para a terapia, mas era importante para ele, para acertar contas consigo mesmo, agora que aceitou o problema e que percebeu que não conseguiria resolvê-lo sozinho. Desde logo a ideia fixa no jogo, a memória das suas experiências, a permanente especulação de resultados, a constante elaboração de apostas, a necessidade de conseguir dinheiro para jogar. Depois a necessidade de aumentar a dimensão das apostas para conseguir uma maior excitação, a inquietação e a irritação que sente quando não joga, ou quando não joga o suficiente. A total incapacidade de parar de jogar, ou mesmo de jogar menos. Percebeu que também é necessário dizer que joga para fugir aos problemas da sua vida, para aliviar o desconforto, o desamparo, a ansiedade e a culpa que sente, tantas vezes provocados pelo facto de não conseguir parar de jogar. Já perdeu tanto, tanto dinheiro, mas acreditando sempre que, se voltar no dia seguinte, recuperará tudo e com prémio; completo engano. Mentiu tanto, a tantas pessoas, escondendo o seu vício, a sua dependência, mentindo a si mesmo. Aceita tudo isso como verdade, pela primeira vez. Na noite de ontem percebeu para onde caminha, sozinho, mas que o caminho poderá ser outro, mas não sozinho. Fez muitas coisas que não deveria, cometeu ilegalidades e crimes para conseguir dinheiro. Felizmente as pessoas foram compreensivas e tolerantes, mas perdeu um excelente emprego e uma carreira na qual tanto investiu. E com o emprego perdeu a família - a maior perda de todas, bem maior do que a perda do seu amor-próprio. Pediu tanto dinheiro emprestado, fez tantas promessas que nunca teve intenção de cumprir, para poder jogar. Sente-se execrável, mas também e pela primeira vez, com alguma esperança que as coisas possam vi a ser diferentes.

 

- Sr. Ricardo Fontes!

Levantou-se; eram nove horas precisas. Começou a caminhar junto com a empregada da clínica, em direção ao gabinete. No estômago, aquela sensação de quando decide fazer uma aposta; esta era bem alta e o estômago já sabia disso. Sentiu que este era o início da nova caminhada e que já não caminhava sozinho.

 

Fernando Couto

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Setembro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
13
15
16
17

18
20
21
22
24

25
27
28
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: