4.4.16

Love-拾叁 簡.jpg

Foto: Love - 拾叁 簡

 

Não, não pode ser verdade! Exclamaram uns, pensaram outros.

O que acabávamos de ouvir só podia ser mais uma das suas brincadeiras inconsequentes. Suspensos no momento, os gestos interrompidos, todos à uma, olhámos a figura que, ainda em pé, sem qualquer emoção, no mesmo tom de voz com que chamava o empregado e lhe pedia um café, validava a decisão com um “ponto”.

Decidi, ponto!

 

Apregoavas a liberdade sexual. O casamento não podia ser uma autorização patética de acasalamento. Insurgias-te contra. Viver em comunhão de facto, não era um direito contratual, era uma necessidade ditada por algo verdadeiro e forte, o amor. Somente o amor poderia ser responsável por um projeto de vida a dois.

Sem saberes o quanto perto estavas dele, dizias-me que tinhas medo de não reconhecer o amor se alguma vez ele te rondasse. Tinhas razões, o amor não te rondou, envolveu-te, e tu não o reconheceste. Perfilei-me ao teu lado, para juntos enfrentarmos os colegas de escola. Troquei as brincadeiras com bonecas para jogar à bola contigo. Deixava as amigas para te acompanhar nos longos passeios pelos campos, junto ao rio, ou para te acompanhar nos grandes silêncios a que te entregavas sem explicações. Crescemos e os silêncios também, citavas Pitigrilli, a solidão é linda mas a dois, e eu lá estava para dar beleza à tua solidão. Vivias em permanente confronto com a sociedade e eu mediava essa oposição, mantinha-te ligado ao nosso grupo de amigos. Não me distribuías estes papéis, não era preciso, eu chamei a mim essa responsabilidade. E, assim foi por muito tempo, tanto, como tenho consciência de mim. Estar perto e testemunhar a tua existência, bastava-me para dar sentido à minha vida, mas, nem assim reconheceste o amor que apregoavas.

Não te conhecíamos namoradas nem paixões, por isso, e porque eu te amava, não tinhas o direito de casar.

Casaste!

 

Tinha aprendido a viver para ti, tinha que aprender a viver para nada.

Não te responsabilizei pelo vazio dos dias longos a que se sucediam noites intermináveis de solidão. Rodeada de nada, vivia de nada projetada para um futuro de nada. Desresponsabilizava-me de centrar a minha vida no nada porque lá, era o meu lugar, não havia mais nada para além deste nada.

Metia pena, a pena que tinha de mim.

 

Chegaram rumores de que o casamento não te ficava bem.

Chegaram certezas, tinha acabado.

Vi-te sem sonhos, sem esperança, sem sentido para a vida. Não pediste nada, não te queixaste mas, como antes, chamei a mim a responsabilidade de repor a vida que não havia em ti. Animada pela esperança, envolvi-te novamente de amor. Confidenciaste-me que o teu único objetivo era encontrar a felicidade, não sabias quando, nem em que circunstâncias, mas sentias que algo estava para acontecer na tua vida que te faria feliz.

Novamente não o reconheceste e eu não era a tua procura. Não me martirizo por ter acreditado e teimado a acreditar em nós, responsabilizo-me apenas pela minha infelicidade. Mas por não veres que o que procuravas podia estar mesmo ao teu lado, só tu és responsável.

 

Cidália Carvalho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Abril 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: