25.10.15

YorkCityView-PetrKratochvil.jpg

Foto: York City View – Petr Kratochvil

 

De repente o meu corpo voa em queda livre a grande velocidade… a força do ar comprime o meu rosto deformando-o… em segundos, os pontos distantes ganham forma… a distância vertiginosamente encurtada, desenha os vários contornos das copas das árvores, dos telhados… a agitação da cidade que acorda torna-se nítida e os ruídos mais percetíveis à medida que me aproximo do fim… o impacto derradeiro: um espasmo doloroso percorre todo o corpo fazendo-me saltar na cama…

Acordo sobressaltada, desorientada, os cabelos molhados, o corpo a ferver, húmido de transpiração da brutal emoção final. Sento-me na cama, surpreendida com este sonho em que ponho termo a uma vida, a minha própria vida. Nunca a ideia de suicídio me tinha surgido de forma tão pungente, tão real!

Essa ideia de uma aparente liberdade, esse ilusório poder sobre a própria vida, fez-me pensar…

A ideia de suicídio afigura-se como uma remota possibilidade de comandar a vida, interrompendo-a. Percebemos que temos a capacidade de decidir antecipar um fim que desde o momento do nosso nascimento já é certo, embora num tempo incerto.

Se encararmos essa ideia apenas como uma possibilidade, ou uma fantasia, e não como uma alternativa de ação, ela passa a ter o efeito placebo, que de certa forma ajuda a superar e ultrapassar as dificuldades. Tal como a ideia de ganhar o euromilhões nos abre a possibilidade de sonhar com uma outra vida de luxos obscenos, sem arrependimentos.

Percebi o poder que temos dentro de nós. E percebi que os desafios se desfiam quando os encaramos com toda a força e energia que temos escondidas dentro de nós, sem nos darmos conta.

Levantei-me da cama, espreguicei-me languidamente e sorri com gratidão para o dia que surgia, com novas aprendizagens e desafios para desfiar.

 

Tayhta Visinho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sara Silva (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Outubro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

13
15
17

20
22
24

27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: