22.6.16

Breakup-Tumisu.jpg

Foto: Breakup - Tumisu

 

Lado A

- Meu filho, eu gosto muito de ti e dos teus irmãos – eu amo-vos. Mas não amo o vosso pai, nunca o amei. Aliás, nem gosto dele. Melhor dizendo, na actualidade detesto-o. Como sabes, como sabeis todos, há já muitos anos que a nossa vida como casal não existe; apenas vivemos sob o mesmo teto, sem vida comum, dormindo em quartos separados. E alguns conflitos, algumas zangas foram surgindo ao longo deste tempo. Mas nada disso é culpa minha pois que, alguns dias antes de casarmos, eu avisei-o. Não gostava dele e não queria equívocos ou enganos, pelo que o avisei, para que não tivesse surpresas. A partir daí não pode queixar-se. É certo que durantes uns anos fomos funcionando como casal; vós nascestes. Mas fui perdendo a paciência. Agora já não suporto a ideia de continuar casada com o vosso pai. Poderemos continuar a morar sob o mesmo teto, como até aqui, mas a ideia de continuar ligada a ele por um vínculo, é para mim insuportável. Nada recebi dele, e nada lhe dei. Ele sempre vos manipulou contra mim, acabando por fazer de mim a má da fita. Faz tudo para se dar bem convosco. E vós, cada vez mais distantes de mim. Compreendo o vosso choque ao descobrirdes que pedi o divórcio. Tenho pena por vos ter chocado, mas a vida é minha e sou eu que tenho de a gerir. Ele foi avisado; não tenho culpa.

 

 

Lado B

- O que eu penso?! Olha meu filho, penso que é mais uma loucura da vossa mãe, mas desta vez com maior requinte. Por isso, não irei conceder o divórcio. Não sairei de casa, não colaborarei, a menos que a polícia venha buscar-me para me levar ao tribunal. Não é nada comigo… Pela minha parte irei continuar a amá-la como sempre amei, continuarei ao pé dela, a ajudá-la, a cuidar dela, a dar-me, a dar tudo a ela. Sim, meu filho eu amo-a, mesmo que ela não fale para mim, mesmo que ela não queira saber de mim, mesmo que ela não vos aceite como adultos que sois e não vos respeite como tal. Por vezes penso que me odeia. Mas, mesmo assim, ela dá-me imenso. Deu-me os teus irmãos e a ti, dá-me a alegria de a ver todos os dias, de sentir a sua presença, de estar junto dela, mesmo sem olhar para mim, mesmo sem a poder tocar, sem a poder abraçar, sem a poder beijar. Não sei como poderia viver sem ela. Sabes, temos de ter muita paciência, ela no fundo não é má pessoa, tem tudo a ver com a origem dela, sei lá! Por favor, tenham paciência com a vossa mãe.

 

Fernando Couto

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Junho 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
24
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: