6.4.15

PassarosNamoram.jpg

 

O Agora é um viveiro de sentimentos e emoções. Criam-se e reproduzem-se saudades, nostalgias e outros estados de alma sobre o passado, alimentam-se ânsias e desejos do futuro. O aqui e agora é inutilmente esquecido, para nos fixarmos no que já passou e no que ainda há de vir.

Ainda há pouco, o indispensável passeio matinal de domingo pela alameda de árvores floridas, com pombos de penas aprumadas e arrulhar rejuvenescido, manifestações claras de que estão prontos para perpetuar a espécie, espevitou-me para o dia. O sol, pouco quente mas brilhante, tem sempre o efeito de me resgatar ao bafio do soturno inverno. Só agora, passado que é, consciencializei-me de que foi um momento muito agradável e que merecia ter sido apreciado com mais entrega.

Agora, frente ao computador, vejo deslizar palavras e imagens que não prendem a minha atenção, engolida que é pelas memórias do passado. As memórias tomam conta do momento e dominam-no.

Num dia de sol, noutro tempo e noutro lugar, no meio de dor e alegria, perpetuei a minha existência com o nascimento do meu filho. Foi há alguns anos, mas ainda consigo sentir, agora, o mesmo que senti na altura. A vida que teimava em sair e provocava movimentos visíveis no meu ventre, o desejo de ver e tocar, o vazio do meu corpo abandonado, o cansaço, os odores, tudo isto, sendo passado, fará sempre parte do meu presente. Não quero, por nenhuma razão, afastar estas emoções de tão valiosas que são. Mas se nesse momento ganhei da vida e para a vida mais um Ser, noutros perdi. Perdi pessoas de quem nunca quis separar-me. Chorei-as até me conformar com a perda. Inconformei-me com enganos e injustiças. Sofri abandonos e abandonei. E, de cada vez que a minha tranquilidade era interrompida, perguntava-me: E agora!? O imperativo da pergunta exigia uma resposta urgente. E tantas vezes o esforço, para conseguir uma resposta que me desencalhasse e me recolocasse no presente, era tão doloroso como a causa.

Decidi, não sei quando, relativizar o passado, viver para o agora.

E agora!?

Agora, termino como comecei, o agora é um viveiro de sentimentos e emoções. Sobre o passado esboço um sorriso ingénuo e conciliador, sobre o futuro, ali mesmo à minha frente, deixo-o desenrolar-se devagarinho, sem ânsias demasiadas, porque agora é tempo de viver o momento.

 

Cidália Carvalho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Abril 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: