24.7.17

Humanitarian-aid-Skeeze.jpg

Foto: Humanitarian-aid - Skeeze

 

“- Anda daí!”.

Uma mão luminosa e transparente estende-se na minha direção. Elevo o olhar, um ser com uma luz esbranquiçada e figura humana que mais parece um holograma, faz um pequeno aceno com a cabeça, incitando a que eu lhe pegue na mão translúcida. Subitamente, de mãos dadas, sinto o meu corpo ficar suavemente mais leve, como se eu me transformasse num ser de energia translúcida como aquele que me levava.

Refeita da surpreendente transformação que vivia, contemplo do espaço a cidade iluminada, os pontinhos alinhados da iluminação das pontes sobre o rio. O nosso voo etéreo desacelera e sobrevoamos o centro do país. Longos troncos inertes elevam os seus ramos negros aos céus como preces. Sinto o cheiro intenso da morte e das cinzas. Estranhamente ecoam na minha cabeça os lamentos de dor daqueles que tudo e todos perderam.

Aquela mão abruptamente puxa-me acelerada. Agora sobrevoamos o Atlântico em direção a sul. Aquele ser transparente mostra-me agora os milhares de refugiados que mal sobrevivem nos Camarões, fugidos das atrocidades que viveram na República Centro-Africana.

Mais a sul, vejo uma adolescente a ser mutilada, privada de todos os prazeres sensoriais. Com o choque o meu corpo torna-se pesado, materializando-se.

Mas um novo impulso do ser de energia que me leva, transporta-nos a Moçambique. O meu coração despedaça-se de dor ao sentir o pavor dos albinos que são sequestrados e assassinados a troco de dinheiro para alimentar crenças e abomináveis ambições.

Novo voo à velocidade da luz. Consigo vislumbrar um bote de borracha no Mediterrâneo. Sobrelotado. Novamente ecoam na minha cabeça, o choro dos bebés, ressoam em mim os pensamentos, receios, expetativas dos que vão em busca da paz, de sobreviver na Europa.

 

Um calor febril invade-me. Os cabelos húmidos colam-se ao rosto e à almofada. Acordo angustiada. Sento-me na beira da cama. Mãos na cabeça, curvada sobre mim, repito monocórdica, “- Que pesadelo! Que pesadelo!”.

Delicadamente materializa-se na minha cabeça uma voz inaudível.

- Pesadelo? Não! Realidade! A tua realidade! A realidade do teu mundo! E agora, o que vais fazer? Ficar indiferente?

 

Tayhta Visinho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Julho 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
19
20
22

23
25
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: