15.10.14

 

 

Gosto muito de receitas tradicionais, especialmente de cozinha portuguesa, da chamada culinária de tacho. Mas não desdenho, nada, várias outras, que vou conhecendo de Espanha, França, Itália, Cabo Verde, Índia, ...

Perante, por exemplo, um cabrito de leite assado no forno, o arroz de miúdos e os legumes a acolitar, penso algumas vezes na conjugação de fatores, misturados q.b. com a passagem do tempo, com o clima, a agropecuária, tudo muito afinado para gerar momentos únicos, em certo sentido quase mágicos, em que estamos à mesa, convivemos e fazemos destes momentos algo quase eterno, de gravados indelevelmente na memória.

Já não sou assim tão fã ou entusiasta da prestidigitação, das ilusões produzidas e apresentadas pelos mágicos. No entanto há mágicos que conseguem efeitos espetaculares, por impossíveis ou invesosímeis que são, de se ficar com a boca aberta e os dedos a coçar a cabeça. Parecem ultrapassar, contornar as leis da física. É magia, pronto.

Está bem, confesso, esta conversa tem uma moral!

É isso mesmo, há receitas, há “magias”, mas não dá para juntar, não há receitas mágicas.

Resultados são efeito de uma causa que é o trabalho; feito com conhecimento, técnica, método, inovação, experimentação, organização de tempo, persistência, dedicação, rotina. Ufa!!

Na realidade, para lá da ilusão, os mágicos trabalham, trabalham, trabalham, para fazer de conta que são mágicos e assim conseguirem ultrapassar as leis da física e nos deixarem boqueabertos.

Quanto ao trabalho, gerações após gerações, que deu para se chegar à invenção e ao apuro (únicos e maravilhosos) de um bolinho de bacalhau, vale mais nem pensar. O melhor é comê-lo mesmo. Se possível, repetir.

 

Jorge Saraiva

 

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Outubro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
25

26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: