4.6.14

 

Estou de luto. Possivelmente este meu luto há de terminar um dia, mas não tenho a certeza disso.

Já estou de luto há tanto tempo que já nem me lembro como é não estar de luto; mas não é por estar assim há tantos anos, desde os meus nove anos e meio, era dia de Consoada, que este passou a ser o meu estado normal.

Não. Sem ser um pensamento ou um sentimento obsessivo, sinto a falta do meu pai com frequência. Ainda não atingi a maneira de me habituar a não tê-lo entre os meus. Falta-me pelo que sei e pelo que não sei, pelo que nunca cheguei a ter.

A morte do meu pai, acrescida dos prolongados meses de doença que o impediram de fazer a sua vida normal e que fizeram com que já estivesse afastado do convívio habitual com ele desde os oito anos e qualquer coisa, por motivo dos diversos tratamentos tentados, até no estrangeiro, fazem com que me lembre pouco, demasiado pouco, como era, como foi, de estarmos juntos.

A morte dele teve influência no rumo da minha vida. Até agora. Até quando?

O que me marcou muito foi o facto de ter sido decidido que eu ainda não tinha idade para vê-lo morto ou, sequer, acompanhá-lo no funeral. Compreendo-o, percebo as razões que levaram aos meus familiares (a minha mãe não estava em condições de resolver a questão) a tomarem essa decisão, mas não aceito. Por maior que tivesse sido o meu sofrimento, eu teria querido, deveria tê-lo acompanhado até ao cemitério, nessa ocasião única. Talvez assim pudesse ter começado mais cedo e melhor o meu luto; ou talvez não, não interessa. Gostava de ter estado no funeral e não estive. E não há maneira de remediar esta falta.

A minha vida é normal, com momentos de alegria, de felicidade, felicidade extrema, assim como de tristeza e arrependimento. Nada me tirou o luto.

Posso estar enganado, mas dificilmente algo dirá exteriormente que estou de luto. Mesmo que o meu pai tenha morrido no Natal, decapitando a minha família, tal não me impede de gostar tanto desta festa que comemora a família.

O facto é que ainda não recuperei desta perda. Por baixo do meu sorriso ou gargalhada mais genuínos, estou de luto.

 

Jorge Saraiva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Ana Martins

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Leticia Silva

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Almeida

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Junho 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28

29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: