10.8.15

Friends-LisaRunnels.jpg

Foto: Friends – Lisa Runnels

 

Fazer caixinha é assim uma espécie de bullying, mas entre adultos. É quando duas ou mais pessoas se juntam em grupinho, isolando uma única pessoa, que fica fora da “caixa” por razão nenhuma que não seja a maldade gratuita.

É um comportamento repleto de crueldade que muitas vezes vemos nas crianças, só que sem ponta de ingenuidade ou da inconsequência que (até) tentamos compreender, e algumas vezes desculpar, nos miúdos. Nos adultos é indesculpável.

É um comportamento quase premeditado, ou em alguns casos menos maldosos, “só” leviano e absurdo. Não é ingénuo porque é consciente e, pior de tudo, consequente.

E deixa marcas. E magoa. E faz sofrer.

É o “não brinco mais contigo” dos grandes. É o “não fales mais com ela/ele” dos adultos.

Quase sempre é protagonizado por um “cabecilha” (que pode usar calças ou saia), e a que nos mais novos chamamos “o líder”, aquele que manda na ganapada e que, ou vai ou delega, o bater ou roubar a sanduíche ao cristo que - lá está - se encontra fora da caixa.

Nunca fui vítima de bullying, em criança. Aliás, nessa idade idiota, onde tantas vezes podia ter subido ao pódio para receber o prémio “miúda-parva-mais-parva-não-há”, talvez tivesse um perfil mais inclinado para “agressora” que para vítima. [Felizmente, ao chegar ao 1º ciclo, apanhei logo umas miúdas mais velhas (ou mais vividas, ou menos parvas), que rapidamente me colocaram no meu lugar].

Anyway, não guardo memória de nenhum episódio marcante com esse nome estrangeiro e feioso, antes boas memórias de quem me ajudou a crescer e a “ter menos a mania”.

Já em adulta, embora pouco marcantes, lembro-me perfeitamente de pelo menos dois momentos em que vivi, e tive que conviver, fora da caixa. Foi meio triste, ainda que as “agressoras” fossem, na sua maioria, tão desinteressantes e vazias de conteúdo que, no fundo, eu tinha a consciência de que não perdia nada. E elas, sim, perdiam muito.

Estes episódios, assim como muitos outros a que tenho assistido ao longo dos anos mas com outras pessoas, fazem de mim, hoje e para sempre, uma caixa-aberta. Como observadora que sou, de quando em vez lá me vou apercebendo, em todas as vertentes da vida, que volta e meia e meia volta, lá aparece alguém com vontade de “minar” relações, afastar pessoas, isolar um(a) qualquer, com quem por um motivo fútil não lhe apraz conviver. Fútil, idiota e maldoso, é quase sempre o (não)motivo.

Assim que o meu radar os deteta, abro a minha caixa e tento alargá-la a todos. O mais possível. De preferência, agarrando os elementos já “minados” ou infetados pelo vírus da crueldade e da estupidez, que é ser mau só por ser.

Por isso, digo sempre aos meus amigos: em momento nenhum contém comigo para “fazer caixinha”.

Porque eu sou uma pick-up, uma “caixa-aberta” e nunca, por nunca, compactuarei com o “não brinques mais com ela/ele”, só porque sim.

 

Joana Pouzada

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Agosto 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
20
22

23
25
27
29

30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: