12.5.14

 

Tempos passados, de memórias confusas, difusas e sem repetição. Coisas novas, fantásticas, das surpresas e espantos. Tempos de tudo ser importante, de todos serem importantes. De não saber como iria ser se (quando) tudo nos falhasse. Os pais, os irmãos, os avós. Os castigos, os amigos e a dor de se esfolar um joelho. O professor, os “calduços”, a bola, o recreio. A campainha ou o toque, o azar e a sorte e o beijo atrás do pavilhão. E claro, o parvalhão. Ainda não era um bully...

 

Os tamanhos eram diferentes, um T2 gigante e o pai também. O Algarve era noutro planeta e os carros não tinham cintos atrás. Afinal eram 80 metros quadrados, 1,65 metros e mais ou menos 600 quilómetros. Os telefones tinham um disco e um disco era um disco. Faziam um barulho engraçado quando abanados com força. Dois canais na televisão. Levanta-te tu agora para mudar de canal.

 

Domingo, almoço nos avós. Formula 1 na televisão e o Senna... O Senna... Na rádio era o Michael, a Tina ou a Madonna. Na aparelhagem os Abba, os Pink ou Doors. Promoções fantásticas da Cola ou da Pepsi. Uma vez ganhei um pager! O sumo natural de maracujá e as latas do Nestum que foram tambores. Meus e depois dos primos.

 

Visitas na maternidade para conhecer o irmão. Gosto dele mas não gosto dele. Roubou a atenção. Uma rosa para a mãe e desenhos no dia do pai. E no dia da mãe também. Versos curtos, copiados, invariavelmente a terminar no amo-te. “Sou pequenino, do tamanho de um botão, (qualquer coisa), mãe no coração”.

 

As fotos no jardim do Passeio Alegre e as idas ao minigolfe. Um Golf branco sem extras. Mas que vinha com rádio. O shopping era o Brasília e cheguei a ver o Michael Knight com o KITT. Depois fizeram lá um lago com barcos. Mas as moelas eram no café “Pé-de-vento” com o avô.

 

Ó tempo, não voltes para trás. As coisas repetidas não têm piada.

 

Rui Duarte

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Maio 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
15
17

18
20
22
24

25
27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: