2.11.16

Mother-Unsplash.jpg

Foto: Mother - Unsplash

 

Durante anos questionei-me a que lado da família me assemelhava mais, ao contrário da minha irmã mais velha que herdou o feitio e as feições do nosso lado paterno, e da minha irmã do meio que herdou a personalidade do nosso lado materno, nunca consegui identificar quer em mim quer no meu irmão, semelhanças específicas com nenhuma das partes. Com o passar dos anos fui-me dando conta da “hibridez” da minha personalidade, ao mesmo tempo que encetei uma corrida contra o tempo para puder trabalhar tudo aquilo que herdei e que não gosto ou me faz mal.

Existe uma linha muito ténue entre aquilo que herdamos e o que queremos herdar, seja em termos de caraterísticas, ou em termos de código genético. E nesse contexto a genética – que é a mais universal e legítima das heranças - tanto pode maravilhar como pode condenar.

A genética é a mais ambígua das heranças: por um lado recebemos as caraterísticas menos boas, as doenças e até as situações mal resolvidas dos nossos ascendentes, que inevitavelmente, acabam por desaguar em nós. Por outro lado, exibimos com orgulho as qualidades que nos passam, e que tanto apreciamos: mesma cor de olhos, a mesma frontalidade, a mesma humildade, etc., e no outro reconhecemos traços físicos e de personalidade que nos fazem recordar, com alegria, quem já não está e assim louvar a abençoada genética.

É então que surge uma necessidade de divisar aquilo que somos fruto do que herdamos e aquilo que nos construímos para ser, em alguns casos combatendo o que não queremos ser.

 

No entanto, meus caros, muito mais importante do que preocupar-me com aquilo que sou através dos outros e do que sou através da minha individualidade, é trabalhar o meu todo para deixar o melhor de mim à Herança Maior que recebi e que deixo ao mundo: o Sol em forma de um rapazinho que me foi legado. O meu filho sim, é a maior e mais valiosa de todas as heranças que algum dia podia ter sonhado, e, sem dúvida, a mais nobre que posso deixar ao mundo, não porque tem uns incríveis traços de personalidade e jeitos familiares que me transportam no tempo, mas porque me resgatou às sombras, fez crescer em mim a necessidade de ser melhor a cada dia, e porque me ensina mais do que algum dia sonhará.

 

Ana Bessa Martins

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Novembro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
24
26

27
29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: