22.2.17

Summer-ProFile.jpg

Foto: Summer - Pro File

 

Ontem apetecia-me gritar, gritar até não ter mais voz. Talvez porque estou farta de estar farta de tanta coisa há tanto tempo.

Se estou farta há tanto tempo, porque é que ainda não me habituei? Serei eu, afinal, uma pessoa intolerante? Terei eu levado a sério demais a teoria do conformismo que aprendi durante o ensino secundário na disciplina de Psicologia?

Sim, desde essa altura faço questão de tentar seguir as minhas ideias e não as ideias dos outros só porque sim. Penso, reflito, pondero, e escolho o caminho que pretendo seguir, mesmo que esse caminho seja o contrário do que os outros seguem.

Isto é bastante difícil… Mas deito-me todos os dias a pensar que este é o meu caminho e sei porque o escolhi.

 

Mas estou farta de tanta coisa… Mesmo do que escolhi… Ou do que acontece colateralmente ao que escolhi. Daí apetecer-me gritar, como que para aliviar o desagrado do que vou encontrando pelo trajeto.

Não é sempre que isto acontece. Ontem sim, mas hoje não. Hoje não, porque está um dia tão cinzento e com uma chuva tão ruidosa… Os pingos gritam mais alto do que eu gritaria. Hoje não, porque o meu pequeno rebento está a sofrer e tenho que me manter forte, desperta e concentrada para ele. Ele sofre mas apenas diz “Olá”, sem chorar nem gritar, quando tem todo o direito de o fazer. Apenas se ouve a sua respiração, apenas se sente a sua deslocação para um local calmo onde possa deitar-se e descansar.

 

Hoje, ao contrário de ontem, não me apetece gritar nem ouvir gritos. Só me apetece silêncio para que ele se sinta bem e melhore. Por mais escolhas que façamos, há coisas que simplesmente acontecem e temos que as aguentar sem gritar. Pelo menos hoje… Talvez amanhã, quando passar tudo outra vez, tenha aquela vontade tremenda de gritar em revolta contra a injustiça de um ser tão pequeno se sentir mal. Mas hoje não, hoje só sussurro.

 

Sónia Abrantes

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Fevereiro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
15
16
18

19
21
23
25

26
28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: