13.7.16

Girl-AlexandrIvanov.jpg

Foto: Girl – Alexandr Ivanov

 

Costumava pensar que irreversível era a morte. E depois estive tão perto dela e percebi que sei lá se é irreversível ou não, porque na verdade não morri. Sei lá se é o fim, ou uma transformação, ou um passo para outra dimensão, ou o nada total. Não sei mesmo se é irreversível.

 

Irreversível é viver. Cada escolha que fazemos, cada decisão que tomamos, o modo como vamos moldando o nosso destino. Os passos que damos, os cursos que escolhemos tirar ou não, os empregos. O modo como cuidamos da nossa saúde e do nosso bem estar físico ou psicológico, se somos ativos ou passivos. E os imponderáveis, como um acidente de viação que nos incapacita para a vida e nos rouba anos de qualidade de vida. Irreversível é tudo o que fazemos porque tudo define a nossa história e o nosso percurso, quer queiramos quer não. Se tivéssemos noção disso muito cedo, acho que não nos mexíamos.

 

Mais importante ainda, irreversível é como amamos, quem amamos, o que fazemos com os nossos amores e afetos. Se os regamos e alimentamos ou se os levamos a definhar, a morrer. É o modo como acabamos por ser felizes ou infelizes porque menosprezamos amores, demos coisas por garantidas, fomos levianos, fúteis. Irreversível e perigoso é optarmos por ser egocêntricos e egoístas. Magoarmos aqueles que nos amam, isso sim, não tem volta.

Por isso é que a espontaneidade tem que ser programada; somos tão dados a cometer erros graves que é preciso pensar. E, sobretudo, acreditar. Acreditar cegamente no amor, no companheirismo, na honestidade total.

Há riscos que podemos e devemos correr. Normalmente têm a ver com pessoas. Tudo o resto é secundário.

 

É por isso que dedico esta crónica à pessoa mais importante da minha vida, o meu amor. E ao nosso filhote. Porque aquilo que mais desejo é que, apesar dos tropeções e das dificuldades, o nosso amor seja para sempre irreversível.

 

Laura Palmer

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Julho 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: