14.5.14

 

Lembras-te de jogar à macaca, ou de jogar à bola, descalço? De trepar às árvores ou correr nos campos de milho? Colher dezenas de pampilhos amarelos e de fazer colares perfeitos com uma linha e agulha, ou apanhar grilos e metê-los numa caixa de fósforos com um pedacinho de alface e ouvi-los durante a noite? Qual é a tua primeira boa, fantástica recordação? Quando tinhas cinco ou seis anos? Conta-me! Que sentes quando te lembras desses momentos?

Vou dar-te dois minutos. Pensa lá! Que gostavas mais de fazer? Chapinhar nos regatos ou andar à chuva com o guarda-chuva fechado numa mão e na outra os livros?

As nossas lembranças têm, de facto, muito pouco que ver com a “realidade”. Se perguntarmos ao nosso amigo, companheiro nas brincadeiras desses tempos, sobre a sua versão, teremos uma outra “realidade” experienciada. Mas isso não interessa para nada! O importante é o bem-estar e o sorriso que se define quando nos lembramos do chilrear dos pássaros que observávamos nos verões quentes das férias grandes, ou víamos os girinos a nadar na gamela onde os mantínhamos depois de os apanhar no charco do campo vizinho.

Para alguns, este exercício trará algumas tristezas. Más memórias. Será que se tentares com determinação não encontrarás um momento, um cheiro, um sinal, um sabor que te faz respirar fundo e te deixa os olhos mareados? Eu gostava que assim fosse.

Se facilmente surgem na tua mente um conjunto de boas, antigas, saudosas memórias, então provavelmente sentir-te-ás, neste momento, feliz e a tua boca terá os cantos voltados para cima.

Conta-me!

 

O Maestro Sacode a Batuta

 

O maestro sacode a batuta,

A lânguida e triste a música rompe…

 

Lembra-me a minha infância, aquele dia

Em que eu brincava ao pé dum muro de quintal

Atirando-lhe com, uma bola que tinha dum lado

O deslizar dum cão verde, e do outro lado

Um cavalo azul a correr com um jockey amarelo...

 

Prossegue a música, e eis na minha infância

De repente entre mim e o maestro, um muro branco,

Vai e vem a bola, ora um cão verde,

Ora um cavalo azul com um jockey amarelo...

 

Todo o teatro é o meu quintal, a minha infância...

(...)

 

Fernando Pessoa, in “Cancioneiro”

 

Ana Teixeira

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Maio 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
15
17

18
20
22
24

25
27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: