14.7.14

 

Rodrigo Maria (nome fictício para Rodrigo, para Maria, para João, Ana, José, Luís e tantos outros) não se conformava. Mais do que a revolta que o acompanhava desde sempre, sentia uma total incompreensão pelo que estava a acontecer.

“O menor veio acusado de crimes dirigidos à propriedade e às pessoas, revela transtornos internos antissociais que motivam a ação delituosa e a sua reincidência. Sofre de perturbações que o impedem de se adaptar às normas. Perante os factos comprovados neste Tribunal de Família e Menores, o Rodrigo Maria não revelou sentimentos de culpa ou arrependimento, desconforto interno ou dúvidas. Constitui uma ameaça para a sociedade, pelo que determino o seu internamento por 2 anos em regime fechado.”

Com esforço, recordou parte dos “crimes” que o tinham conduzido até àquela sala fria do Instituto. Os vidros estilhaçados da sala de aula, as latas de spray despejadas na viatura da professora, a ninhada de Terrier afogados no lago, passando pela bola - uma simples bola!- roubada na loja do bairro, até se deter no susto que pregara à vizinha de cima e que esta aproveitara para morrer, atirando-se pelas escadas abaixo. “A velha nem gostava dos cães! Crimes? Mas que merda de crimes são estes? Quem são estes cabrões para me julgar?”. Cravou as unhas nas faces e arranhou até a pele ceder. Com os dedos ensanguentados desenhou um enorme “O” na parede branca. Uma raiva imensa apoderou-se daquele corpo franzino e tatuado por feridas mal cicatrizadas, provocadas por incontáveis automutilações. “Cabrões, grandessíssimos cabrões”, gritou ofegante enquanto percorria as paredes da sala com o olhar. Deteve-se num pequeno quadro desnivelado, suspenso por um fio. Enquadrada por moldura pindérica, uma frase bordada a ponto de cruz exultava: “O FUTURO ESTÁ NAS TUAS MÃOS”. Dirigiu-se para um canto da sala, baixou os calções, agachou-se, abriu a pernas, fincou os cotovelos nas paredes e defecou no mármore branco. Mergulhou as mãos de sangue nas fezes, completou a palavra ódio na parede e chorou. “Os cabrões nem sequer me perguntaram se eu cheguei a conhecer a minha mãe!”.

Uma mão firme de mulher agarrou-o pelo braço, levantou-o sem custo e foi sem custo que o arrastou até à porta da sala. À sua frente, um imenso corredor estreito, muito alto e simetricamente ladeado por portas, terminava num enorme Cristo cruxificado. “Vais imediatamente tomar banho e mudar de roupa. Quando terminares, falaremos sobre o castigo que vais sofrer”. A mão papuda e possante continuava cravada no braço franzino e Rodrigo Maria experimentou pela primeira vez na vida uma sensação de conforto. Desejou que aquele momento de felicidade não terminasse jamais.

Brecht: “Do rio que tudo arrasta, diz-se que é violento. Mas ninguém chama violentas às margens que o comprimem”.

 

José Quelhas Lima

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Julho 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

13
15
17

20
22
24

27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: