20.2.15

MafaldaQuino.jpg

 

O pai despede-se da menina com um beijo. É aprumado e elegante, a gabardina e a pasta dão-lhe um ar executivo, bem posicionado na vida. É um homem com muita energia e dinamismo, este que sai de casa para o emprego. Regressará umas horas mais tarde, bastantes, na visão de criança, e voltará a dar um beijo à menina. Vem cansado, sem o aprumo nem a energia com que saiu e o beijo não é caloroso. A menina, que é muito observadora, ao vê-lo com os ombros caídos contesta por todos os dias dar um pai ao trabalho e o trabalho devolver-lhe aquilo.

E a profissão não nos rouba só a energia, como no caso retratado, rouba-nos também a identidade. Sobrepõe-se ao nome dos indivíduos que passam a ser conhecidos pelo Sr. Engenheiro, a Sr.ª Enfermeira, o eletricista, o canalizador – exemplificar é muito redutor uma vez que a identidade do individuo é engolida em todas as profissões.

Apesar deste efeito devastador, tão bem retratado pelo Quino e protagonizado pela Mafaldinha, todas as pessoas têm uma profissão, ou deveriam ter, porque ter uma profissão é estar capacitado para desempenhar um papel no desenvolvimento da sociedade. Desde pequenos que somos preparados para termos uma profissão. Observam-nos as tendências e talentos e emitem um parecer – tens jeito para isso – e ditam-nos o destino - tens que pôr em prática esse teu jeito. Auscultam-nos a vontade – o que queres ser quando fores grande?

Ter profissão é muito mais ou muito menos, como queiramos, do que fazer alguma coisa ou ter uma ocupação. Diz-se daqueles que não têm emprego, que a profissão é, “desempregado”.

Mas a profissão também nos dá coisas, por exemplo, estatuto. Pelo menos assim pensava o Sr. José. Quando tinha que preencher algum documento, no campo da profissão escrevia com orgulho, marido da Sr.ª Professora.

 

Cidália Carvalho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sara Silva (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Fevereiro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: