16.1.15

Mae+Bebe.jpg

 

No princípio, na barriga da mãe, não temos conhecimento de nada, não temos dúvidas, não temos medo de nada. Estamos seguros.

Logo a seguir começamos a experimentar sensações novas, a começar pelo choro inicial, que nem sempre conseguimos enquadrar de imediato ou a prazo. Apanhamos sustos, precisamos do conforto e do aconchego da mãe, dos que nos são próximos, que nós conhecemos e em quem confiamos, para acalmar e nos sentirmos seguros.

Basta, tantas vezes, antes mesmo de uma palavra ou de um gesto de carinho, uma troca de olhares. O que não acontece quando é de noite ou por qualquer motivo está escuro e, por isso, não vemos o que nos rodeia.

Ganhamos medo do escuro. [expressão interessante esta, utilizada no contexto do racismo, quando vinda de um ariano...]

Diria, assim, que o racismo é um pré-conceito ancestral que se instala e cresce com base na incompreensão, na falta de conhecimento, que gera medo ou, pelo menos, insegurança. Pode basear-se em sentimentos de superioridade ou de inferioridade, mas tem como consequência determinante a falta de aceitação da diferença, de tal modo que mesmo quando se conhece e convive dia-a-dia com os diferentes, seja em sociedades resultantes de uma miscigenação secular, seja pela globalização que a facilidade de viajar, a televisão, a Internet proporcionam, mesmo assim continua a existir racismo, xenofobia, discriminação com bases étnicas ou religiosas.

Aparentemente estamos todos em contacto uns com os outros, já não estamos isolados, podemos compreender-nos, aceitando-nos a partir da diferença; na realidade esta será apenas uma camada superficial, translúcida e fina, mas resistente como a casca da cebola, mantendo-se o preconceito nuclear.

Continua o desconhecimento, a incompreensão, o medo do escuro, talvez menos disseminado, mas igualmente gerador de conflitos e de afastamentos.

Há que acender a luz de todos os lados, contribuir para erradicar a sombra, onde se instala o preconceito.

 

Jorge Saraiva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Janeiro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
15
17

18
20
22
24

25
27
29
31


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: