16.1.15

Mae+Bebe.jpg

 

No princípio, na barriga da mãe, não temos conhecimento de nada, não temos dúvidas, não temos medo de nada. Estamos seguros.

Logo a seguir começamos a experimentar sensações novas, a começar pelo choro inicial, que nem sempre conseguimos enquadrar de imediato ou a prazo. Apanhamos sustos, precisamos do conforto e do aconchego da mãe, dos que nos são próximos, que nós conhecemos e em quem confiamos, para acalmar e nos sentirmos seguros.

Basta, tantas vezes, antes mesmo de uma palavra ou de um gesto de carinho, uma troca de olhares. O que não acontece quando é de noite ou por qualquer motivo está escuro e, por isso, não vemos o que nos rodeia.

Ganhamos medo do escuro. [expressão interessante esta, utilizada no contexto do racismo, quando vinda de um ariano...]

Diria, assim, que o racismo é um pré-conceito ancestral que se instala e cresce com base na incompreensão, na falta de conhecimento, que gera medo ou, pelo menos, insegurança. Pode basear-se em sentimentos de superioridade ou de inferioridade, mas tem como consequência determinante a falta de aceitação da diferença, de tal modo que mesmo quando se conhece e convive dia-a-dia com os diferentes, seja em sociedades resultantes de uma miscigenação secular, seja pela globalização que a facilidade de viajar, a televisão, a Internet proporcionam, mesmo assim continua a existir racismo, xenofobia, discriminação com bases étnicas ou religiosas.

Aparentemente estamos todos em contacto uns com os outros, já não estamos isolados, podemos compreender-nos, aceitando-nos a partir da diferença; na realidade esta será apenas uma camada superficial, translúcida e fina, mas resistente como a casca da cebola, mantendo-se o preconceito nuclear.

Continua o desconhecimento, a incompreensão, o medo do escuro, talvez menos disseminado, mas igualmente gerador de conflitos e de afastamentos.

Há que acender a luz de todos os lados, contribuir para erradicar a sombra, onde se instala o preconceito.

 

Jorge Saraiva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 10:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Janeiro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
15
17

18
20
22
24

25
27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: