13.5.15

NaLinhaDePartida.jpg

Foto: Starting Blocks - Peter Griffin

 

Toda a ação remete a um processo mental e deliberado de planeamento formal para assegurar objetivos definidos, recursos à disposição, motivação que baste, estrutura e estratégia alinhada ao contexto interno e externo, de forma a corporizar e definir um modelo de negócio viável rumo ao almejado sucesso, com a devida eficácia e eficiência.

Esse momento de indução à ação emerge de um estado de carência de recursos ou frustração de expetativas advenientes do histórico da existência humana, no seu complexo interacional e contratual com os diferentes agentes. A natureza contratual estabelecida com as diferentes partes explica a complexidade e urgência na busca de respostas ajustadas às suas necessidades.

A gestão das expetativas derivadas dessas relações, dependendo do poder negocial e do nível de confiança existente, podem e devem acomodar-se à abertura e restrições existentes entre ambas as partes, no princípio de transparência e boa-fé, procurando encontrar e explorar respostas a esse nível e, excecionalmente, no plano exterior, para colmatar as ausências da primeira opção ou mesmo complementar os resultados ali obtidos, sem colocar em perigo o segredo e privacidade requerida para o sucesso dos mesmos, nem tornar-se uma atitude canibal.

O tempo é uma dimensão transversal e diferenciadora neste processo, exercendo pressão contínua ao elo mais fraco que, despido de alguma capacidade de improviso, pode acabar por ceder e denotar fragilidades, manifesta por lócus de controlo externa. A pressão do tempo cronológico ou psicológico não passa despercebido, criando alguma impaciência, ansiedade e insegurança para os expetantes, agudizando ainda mais o desempenho do ator.

Em resposta a isso, a mente gera cenários alternativos para criar um efeito contrário, mesmo não se acreditando nas suas implicações práticas e imediatas. A criatividade humana e imaginária pode manipular as variáveis internas na tentativa de reformular o âmbito e as expetativas para se ganhar algum tempo, para pensar e agir.

A linha do tempo que medeia as expetativas e cria rutura entre a referência, a atitude e o sonho, respetivamente o passado, o presente e o futuro, serve de guia para perfilar a nossa fama. Por uma questão de sobrevivência, augura longa vida aquele que cria expetativas altas com base nas suas atitudes, e corre o risco de extinguir aquele que vive agarrado a um passado de glória, evitando correr novos riscos, perdendo a oportunidade de romper para a conquista dos seus sonhos.

O tempo, o agora, coloca desafios na mesma medida que coloca medos, aos perfecionistas, o medo de falhar, e aos derrotados o medo de nunca tentar, e assim ser descoberto que ausentou-se deliberadamente de sua posição. Mas, o agora, a nossa vez, que mesmo tardando sempre chega, quando ocorre nada resta senão tentar, logo, é seguro estar prevenido ao plano que tivermos traçado com antecedência.

Disto resulta que o melhor momento para agir será certamente agora, porque aqui temos o poder de antecipação, a prevenção necessária para com tempo consentir erros de aritmética cometidos, aprender com os mesmos, progredir e desenvolver fibra, resiliência para sustentar a longa caminhada.

 

António Sendi

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

De Eurico Fernandes Manhice a 14 de Maio de 2015 às 14:46
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realidade actual, aqui em Moçambique.

"Haverá verdadeiramente PAZ, sempre que soubermos agradecer."

Aquele abraço!
Sempre
Eurico Fernandes Manhice

De Cidadão Atento a 18 de Maio de 2015 às 08:50
Caro Eurico,
O cenário descrito neste artigo enquadra-se na nossa realidade bem como, num plano macro, em todos os contextos independentemente da sua geografia. Houve dolo em salientar neste artigo, associado ao tempo, a gestão de expectativas... A quem augura paz, como bem refere, deve primar pela humildade, comprometimento, auto-crítica e abertura à negociação.
Obrigado pela simpática mensagem.
Abraço

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Maio 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30

31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Há uma força interior que nos orienta nas decisões...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: