29.4.16

TwoOldMan-Viêt.jpg

Foto: Two Old Man - Viêt

 

O termo responsabilidade está relacionado com a palavra latina respondere que significa responder, prometer em troca. Apraz-me aproximar os termos responsabilidade (em inglês responsability) a resposta (em inglês response), onde segundo Joseph Adler, o conceito de responsabilidade moral na filosofia e teologia do Oeste tem sido genericamente expressa em termos de questões relacionadas à justiça e livre arbítrio. A resposta implícita à responsabilidade é uma recompensa ou punição por atos voluntariamente praticados; em sentido oposto agir com responsabilidade é uma forma de atuar em busca de recompensa ou aprovação mesmo não ocorra naquela circunstância.

Para Marcos Webber, induzido pelo sentido ético do termo responsabilidade, a dimensão filosófica assume a responsabilidade pelas próprias escolhas quando o apelo da consciência permite a liberdade para escolher por si próprio e assumir responsabilidade pelas próprias escolhas. Aceitar a responsabilidade requer um rompimento com o impessoal e querer reconhecer a si próprio como ser culpado.

 

A responsabilidade é uma aprendizagem que qualquer ser humano adquire em relação à inteligência emocional ao longo do tempo independentemente de sua idade ou qualquer segregação social que possa adjetivar a sua ocorrência, entretanto, a disposição para a mudança imposta pela aprendizagem permanece crucial.

No campo empresarial a responsabilidade social é o código de ética e moral que orienta a atuação responsável da empresa relativamente aos seus clientes internos e externos. A pertinência da institucionalização da responsabilidade social nas empresas está no aparente peso desta atividade na estrutura de custos e diluição dos resultados no curto prazo, quando estrategicamente pode ser uma via para o reforço da vantagem competitiva pela valorização da imagem corporativa e valor da empresa a longo prazo.

 

Em direito a responsabilidade civil pressupõe que todo aquele que violar um dever através de um ato lícito ou ilícito tem o dever de reparar pois, todos temos um dever jurídico originário de não causar danos a outrém. Um dos pressupostos da responsabilidade civil é verificar se houve ação ou omissão para daí aferir a imputabilidade, nomeadamente, se a pessoa que cometeu ato lesivo possuia condições psíquicas ou condições de responder por este ato porque ao atribuir responsabilidade está-se a atribuir o dever de responder pelo ato.

Aprofundando a imputabilidade do infrator interessei-me por uma passagem na leitura de Pablo de Assis que versa sobre psicologia e sociedade onde enquadra a diferença entre o eu, o outro, o indíviduo e a sociedade na imputação da responsabilidade ao indivíduo ou à sociedade. É falacioso achar que responsabilizando o outro iremos resolver os problemas sociais, e é errado achar que os problemas são só do outro e eu não tenho nada a ver com isso a não ser cobrar a ele.

 

Voltando a responsabilidade do indivíduo inserido na família nas diferentes fases de vida, enquanto menor e dependente deve respeito à ordem imposta pelos seus progenitores. Na fase adulta adquire deveres próprios, libertando os progenitores, e pode moralmente aceitar deveres de recompensa aos seus dependentes diretos e indiretos. A primeira grande responsabilidade é sobre si mesmo, um reflexo de como cuidamos de nós replica-se na forma como se espera que cuidemos dos outros, afinal o corpo usufrui da mente saudável. Ouvi uma voz profunda e sincera a segredar num momento peculiar que eu teria que crescer cedo, assim assumi que doravente seria responsável pelo meu destino.

O indivíduo que se distancia de suas responsabilidades no seio da família procura refúgio no vazio dos seus atos, porque o impacto gerado pelas suas ações no ambiente externo não ecoa, não abona a seu favor e nem recalca para si próprio. O demérito está em si pelo facto de ser estrangeiro num meio que não o pertence, logo não pode reclamar recompensa nem indulgência nos períodos involuntários de carência

 

António Sendi

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Abril 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: