17.9.14

 

Com o conhecimento a duplicar a uma velocidade tão vertiginosa, estaremos nós destinados à ignorância perpétua?

Este poderia ser o mote deste artigo, mas permitam-me que não me centre no conhecimento (saber), senão no ser, o qual, na minha visão, é o derradeiro objetivo da educação.

Devo confessar que o tema é muito especial para mim, e deveras relevante para a Humanidade no seu todo. De modo que, não foi fácil decidir-me por um direcionamento autoexpressivo fiel à temática. Depois, dei-me conta que estava a sublimar em demasia o enquadramento deste artigo… até que iluminou-se, na minha mente, um esclarecimento importante: a educação é antidogmática. É uma exploração construtiva, reveladora e muito sustentável. Os filósofos gregos foram, talvez, os grandes professores da Humanidade ao nos deixarem um legado de reflexão e descoberta da verdade. Esta, obviamente, limitada no tempo e na conceção, pois sempre surgirão ideias mais fidedignas para retratar uma dada realidade. A educação é, por isso, dinâmica.

De modo que vou cingir-me a um texto informativo, possibilitando a construção única e individual do conhecimento a partir de cada um dos que leem.

Conhecer a origem das coisas é, e sempre será, pertinente, pelo que deixo um link com algumas ideias sobre o assunto http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_educa%C3%A7%C3%A3o. Penso que educação é também a capacidade de aprender a pensar de uma forma mais abrangente, pelo que será útil pesquisar alguma informação sobre pensamento crítico. Ir da analogia, por exemplo, até debruçarmo-nos sobre como o debate pode mudar as nossas vidas (http://www.youtube.com/watch?v=WJaMtU1P-3w).

Ler “O elemento”, de Ken Robinson, desconstrói qualquer ideia que tenhamos do que devem ser políticas educativas.

A seguir, claro, não podemos deixar de lado as teorias, filmes e documentários polémicos, aqueles em que, quando assistimos, passamos os primeiros 34 minutos a contra-argumentar com o autor, resistindo veemente ao que está a ser passado pois, convenhamos, é insuportável largar ideias tão bem construídas e que se encaixam perfeitamente no que julgamos saber.

Mas, a cereja no topo do bolo, é visitarmos uma página como: http://www.brainpickings.org/ e corroborarmos que o simples dá trabalho, mas vale muito a pena! Aliás foi uma inspiração para a escrita deste artigo. Carpe diem!

 

Marta Silva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Setembro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
18
20

21
23
25
27

28
30


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: