30.12.15

ScenicPark-MannNgohayon.jpg

Foto: Scenic Park – Mann Ngohayon

 

e os barcos passam a ser um e um

onde uma vez quiseram quase ser dois

e a tempestade deixa o mar encrespado

por isso cuidado

mesmo muito cuidado

que é frágil o pano

que veste as velas do desengano

que nos empurra em novo oceano

frágil e resistente ao mesmo tempo

 

Mudemos de assunto; Sérgio Godinho

 

 

- Desculpa interromper mas necessito de fazer um ponto de situação, para não me perder – se é que não estou já perdido.

- Está bem.

- Afirmas ser um homem que reconhece as emoções, a sua importância e valor, entre elas, o medo. Afirmas saber como passar das emoções, trabalhando-as, aos sentimentos. Afirmas que ao longo da tua vida apenas tens tido um medo, sentimento maduro, trabalhado – o do sofrimento físico por força duma doença grave e prolongada. Mas de há algum tempo a esta parte tens um novo e inesperado medo, que tem vindo a crescer e a consolidar-se: o medo de não conseguires amar. Como sabes, já vi e ouvi muita coisa no que a emoções e sentimentos respeita e, nesse campo, encontro medo da solidão, medo de não ser amado, por vezes medo do abandono. O medo de não conseguir amar é, para mim, uma novidade e, talvez por isso, não o entendo. É isto ou perdi-me pelo caminho?

- Sim, meu caro, é isso.

- Mas de onde vem, então, esse medo de não conseguires amar? E como é ele?

- Vem de amar, com toda a energia, com tudo o que amar implica, contemplar, desejar, acarinhar, mimar, proteger, honrar, elogiar, valorizar, estimular, incentivar, ajudar, partilhar, conciliar, perdoar, agradecer, com entrega, com convicção, com respeito, etc., mas sentir não ser o amado, não ser o amante nem ser o desejado, ser colocado num lugar subalterno no qual se reconhece um valor de segunda escolha, nunca suficiente e nunca justo. Não ser estimulado, nem incentivado, a quem não se agradece, com o qual há coisas que não podem ser partilhadas. E apesar disso, continuar a amar, amar sempre, por força do impulso e da razão, combinação que carateriza o amor. Recomeçar, sempre. Mas ir perdendo energia, progressiva e irremediavelmente, que nunca será recuperada, que nenhum processo comunicacional conseguira resgatar. E é nesta perda progressiva de energia que o medo surge, sorrateiro, ganhando espaço. Pode chegar o dia em que não consiga mais amar. E essa ideia é terrível. Poderei ser abandonado, conseguindo recuperar ou não, mas disso não sinto medo. Poderei ficar só e daí resultar dor, mas sempre exercitei a solidão, sempre desenvolvi a capacidade de estar apenas comigo, daí que disso não sinto medo. Poderei não ser amado – aliás, não sei se o sou, mas não faço disso uma exigência e, talvez por isso, não sinto medo. Mas tenho medo que chegue um dia em que não consiga amar. O que serei eu nesse dia e nos que se lhe seguirão? O que valerá, então, a minha vida, a minha existência?

- Sim, agora entendo… E não sei o que replicar.

E em silêncio continuaram, em passo sereno, ao longo do parque.

 

Fernando Couto

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Estefânia Sousa Martins

Fernando Couto

Fernando Lima

Jorge Saraiva

José Azevedo

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Dezembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
24
26

27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: