5.2.16

Maori.jpg

 

Seria uma reunião importante que poderia mudar a sua vida. Sabia que não poderia vacilar, não se mostrar inseguro, nem amedrontado. Tinha lido sobre o poder de uma primeira impressão e sabia reconhecer como ela poderia influenciar o sucesso ou não da reunião. Pensou como era admirável o cérebro ter a capacidade de construir uma imagem acerca de uma pessoa em segundos, apenas com uma imediata apreciação sobre a pessoa que tinha à sua frente. Observando apenas a forma como a pessoa surgia, se deslocava, como era a sua postura corporal, a sua fisionomia, o seu aspeto geral, mesmo antes da pessoa sequer pronunciar uma palavra! Tinha o seu discurso e argumentos bem estruturados e sabia que estava bem preparado. Mesmo assim, apesar da água quente que escorria sobre o seu corpo, sentiu um arrepio gélido percorrê-lo. Deixou-se estar mais uns minutos sob o chuveiro, refugiando-se no aconchegante calor que deslizava e o envolvia.

Os pensamentos invadiam-no. Compreendia que o impacto da primeira impressão seria o promotor da interação interpessoal e como seria difícil não comunicar, mesmo em silêncio. Todo o seu corpo emitiria sinais que iriam ser captados por todos os presentes na reunião. E continuou. Teria que preparar a sua entrada de modo triunfal. Todos os seus gestos, a postura, as expressões do seu rosto, o sorriso confiante e seguro, a sua voz, a irrepreensível aparência, seriam decisivos para a sua plateia ficar de imediato rendida numa primeira impressão. Vestiu o seu melhor fato, ajustou o nó da gravata que tinha minuciosamente elaborado na noite anterior. Cogitou como o poder que exercia num primeiro momento, poderia intimidar o outro, dando a ilusão de o estar a dominar. E lembrou-se do Haka, da dança típica e grito de guerra do povo Maori, para intimidar o adversário e se incentivar, exibindo a sua coragem, paixão e vigor.

 

Olhou o espelho, mirou-se de frente, depois de perfil, mirou um lado após o outro. Subitamente vê refletido no espelho o seu rosto delineado com desenhos Maoris, a língua de fora, as mãos a tremer, simbolizado o vento quente de verão… A imagem refletida ganha vida própria e numa dança brutal e viril, a Ka Mate, a cerimónia haka que celebra o triunfo da vida sobre a morte. Na sua cabeça ressoa o grito pujante “Ka Mate! Ka Mate! Ka Ora! Ka Ora!” (É a morte! É a morte! É a vida! É a vida!)

Sentiu-se revigorado e confiante. Com passadas potentes dirigiu-se à porta, abriu-a num movimento decidido e saiu poderoso com um sorriso esboçado no rosto.

 

Tayhta Visinho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Fevereiro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
18
20

21
23
25
27

28


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: