6.9.15

AndarAPéNumaPraiaLabirinto-Andrew Schmidt.jpg

Foto: Andar a pé numa praia labirinto - Andrew Schmidt

 

Estava num labirinto. Só via encruzilhadas, caminhos cruzados sem saída. Percorreu todos os caminhos e voltou sempre a um onde já estivera, voltou ao anterior, voltou ao primeiro. Andou em todos e em cada um deles mais do que uma vez, tentou andar em todos de uma só vez e depois já não tentou.

O desespero sempre do mesmo chão, a angústia sempre das mesmas paredes, o terror nunca da saída. E desistiu. Deixou-se ficar preso no labririnto e num flash chegou a libertação, o alívio, a paz e depois mais nada.

Lentamente, a rebolar pelo chão veio um novelo. Seria de lã ou de linha, não sabia bem. Nunca pensou que veria um, nunca pensou que chegasse um ali. Recebeu-o e levou-o consigo pela mão, pelo caminho. O novelo mostrou-lhe o chão e as paredes, aqueceu-lhe a mão e o corpo e o coração. Já teria passado por ali, mas talvez não naquela direção.

O novelo era de lã escura e grossa. Enquanto o enrolava apercebia-se de que era de muitas cores. Cores escuras que se misturavam numa bolinha de fios cruzados e entrelaçados. O fio começou a ficar mais esticado, começou a puxar pelas suas mãos. As cores eram mais claras agora, as mãos estavam mais claras também. As paredes eram brancas e o chão de areia fina e brilhante.

Começou a ver os fios do novelo uns por cima dos outros, as suas mãos estavam inteiras, tinham dedos e os seus pés andavam firmes e rápidos num só sentido. Sentiu os olhos a fecharem-se, uma aragem fresca na cara e quando o fio acabou estava cá fora!

Abriu os olhos e tinha o novelo nas mãos. O novelo pulsava devagar e as cores corriam pelos fios num fluxo constante. Viu uma pessoa à sua frente. Estendeu-lhe as mãos abertas e entregou-lhe o novelo.

- Obrigada! Como soubeste que estava ali?

- Não soube. Ouvi o teu grito.

- Eu não gritei.

- Mas eu ouvi!

 

Patrícia Leitão

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

Alexandra Vaz

Ana Martins

Cidália Carvalho

Ermelinda Macedo

Fernando Couto

Jorge Saraiva

José Azevedo

Landa Cortez

Leticia Silva

Rui Duarte

Sandra Pinto

Sandra Sousa

Sara Almeida

Sara Silva

Sónia Abrantes

Tayhta Visinho

Teresa Teixeira

Vanessa Santana

Setembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

15
17
19

22
24
26

29


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: