25.12.15

Foucault'sPendulum-AndrewSchmidt.jpg

Foto: Foucault's Pendulum – Andrew Schmidt

 

Dos medos, de todos eles, já nestas páginas se falou muito, e muito bem. Eu tive e tenho muitos medos que nunca se concretizaram e, muito provavelmente, nunca se concretizarão; outros, pela certa, sim, lá virão a plasmar-se em realidade, na minha realidade. Mas os verdadeiros medos, os piores, os que já me passaram por cima e me viraram do avesso e quase me levaram a melhor, bem como os que aí hão de ainda vir... nunca tenho imaginação à sua altura.

O medo é uma faca de dois gumes, ambos bem afiados: com ele paralisamos, sem ele morremos. Ou por fora, ou por dentro, ou das duas maneiras.

É, por exemplo, por isso que há terrorismo, para nos paralisar e aturdir, para nos tirar rumos e objetividades. Para nos fazer odiar quem estiver mais a jeito. Para nos impedir de evoluir, de expandir a mente, de sermos inclusivos, de termos no coração sempre o calor do amor, puro e desinteressado. De nos guiarmos por esse coração, mesmo correndo riscos.

O medo impede-nos de ser a melhor versão possível de nós próprios.

Mas podemos, ousamos viver sem medo? O medo também nos salva. Salvou-nos nas cavernas de sermos comidos por animais maiores. Hoje, em sentido normalmente não tão literal, faz a mesma coisa. Salva-nos de esquecermos os nossos amores; salva-nos de esquecermos os nossos objetivos. Dá-nos rumo e chão e pode ser um bom companheiro de viagem desde que devidamente domesticado.

 

Jean Bernard Foucault pendurou um longo e pesado pêndulo no Panthéon, em Paris, no já longínquo ano de 1851. Destinava-se a comprovar, através do seu movimento de oscilação, o movimento de rotação da Terra em torno de seu próprio eixo.

A expetativa era que o pêndulo oscilasse em um movimento retilíneo em um único plano vertical. No entanto, o que foi observado, foi que a oscilação do pêndulo parecia girar com o tempo, mudando a sua direção em relação a esse plano considerado. O medo é assim, um pêndulo a oscilar sobre as nossas vidas.

Quando o pêndulo é colocado em movimento, pelas Leis de Newton, a oscilação depende somente da força gravitacional, da tração do fio e da resistência do ar, que faz diminuir a amplitude das oscilações com o passar do tempo. Nenhuma outra força age para explicar a mudança de direção da oscilação do pêndulo. Em Paris, a rotação é medida em cerca de 10° por hora, no sentido horário.

Mas, se não há nenhuma força atuando no pêndulo para que mude a direção da oscilação, por que o pêndulo gira? Na verdade, o pêndulo não gira. O plano de oscilação do pêndulo permanece constante. Nós, os observadores, temos a impressão de que o pêndulo gira, por que estamos “presos” à Terra.

Nós, cada um de nós, tem pois o seu próprio pêndulo do medo a girar tanto tempo quanto dure a nossa existência. O truque é sabermos que temos uma espécie de pêndulo de Foucault pessoal, cuja rotação depende da nossa rotação e só existe porque nós existimos. O nosso medo é pois algo que devemos amar e respeitar, mas de longe. E nunca, mas mesmo nunca, colocarmo-nos na sua trajetória. É mais um “compagnon de route”, o nosso querido grilinho falante.

 

Laura Palmer

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Maputo | Moçambique

 pessoa(s) ligada(s)

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Articulistas

> Alexandra Vaz (PT)

> Ana Martins (PT)

> Cidália Carvalho (PT)

> Ermelinda Macedo (PT)

> Fernando Couto (PT)

> Fernando Lima (PT)

> Jorge Saraiva (PT)

> José Azevedo (PT)

> Leticia Silva (PT)

> Rui Duarte (PT)

> Sandra Pinto (PT)

> Sandra Sousa (PT)

> Sara Almeida (PT)

> Sara Silva (PT)

> Sónia Abrantes (PT)

> Tayhta Visinho (PT)

> Teresa Teixeira (PT)

Dezembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
24
26

27
29
31


Arquivo
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
gostei muito do tema artigo inspirado com sabedori...
Não podia concordar mais. Muito grata pelo comentá...
Dinheiro compra uma cama, mas não o sono...Compra ...
Caro Eurico,O cenário descrito neste artigo enquad...
Grande artigo, que enquadra-se com a nossa realida...
Parabéns Ana Martins, uma abordagem bastante suges...
Obrigado Denise, embora sinta que tenha sido basta...
Muito bom !Explicou exactamente o que eu penso!!!
Concordo plenamente caro Dr. Sendi, o facto é que ...
Gostei muito do artigo .Estou plenamente de acordo...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: